Acções Portugal Telecom derrapam 13 pct para mínimos históricos

viernes 10 de octubre de 2014 04:19 GYT
 

LISBOA, 10 Out (Reuters) - As acções da Portugal Telecom (PT) caíram 13 pct para novo mínimo histórico, arrastadas pela forte queda da cotação da sua parceira brasileira Oi, cuja recente saída do CEO Zeinal Bava levanta dúvidas sobre se a fusão das duas empresas se concretizará, disseram dealers.

Adiantaram que o facto da PT ter apenas a participação de 25,6 pct na Oi e a dívida de 900 milhões de euros (ME) da Rio Forte, que está em incumprimento por parte desta 'holding' da família Espírito Santo, tornam a PT vulnerável a qualquer queda das acções da brasileira.

"Temos aqui um carrocel, um circulo vicioso muito marcado entre as suas acções. A correlação intrínseca entre a Oi e a PT tem levado a esta espiral de quedas da PT para mínimos históricos", disse Luis Gonçalves, trader da Go Bulling, no Porto.

"A origem mais recente da queda da Oi foi a saída de Zeinal Bava que, de certa maneira, era o padre que ia celebrar este casamento entre a Oi e a PT", disse.

Adiantou que, "agora há incerteza se a fusão vai avançar e, como as empresas passaram um ano a preparar este casamento, se este não avançar, fragiliza as duas partes".

Negociaram-se 6,2 milhões de acções da PT a caírem 9,68 pct para 1,279 euros, após tocarem a cotação mais baixa de sempre nos 1,23 euros. Ontem, a Oi fechou a cair 10,6 pct. (Por Sérgio Gonçalves)