27 de noviembre de 2014 / 9:39 / en 3 años

Isabel dos Santos mantém preço OPA PT, com prémios M&A Brasil e Rioforte-Fonte

Por Sergio Goncalves

LISBOA, 27 Nov (Reuters) - Isabel dos Santos considera que o preço de 1,35 euros por acção que ofereceu na Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a PT-SGPS é justificado e não quer subi-lo, apesar de ser inferior aos 1,555 euros de cotação em Bolsa, disse uma fonte próxima da empresária angolana.

Adiantou que aquela contrapartida já incorpora um prémio que compensa os actuais accionistas da PT-SGPS da expectativa que a brasileira Oi seja envolvida num movimento de M&A no Brasil, além de que aqueles também ficarão com o valor que vier a ser recuperado da dívida da falida Rioforte que a PT comprou.

Isabel dos Santos, filha do presidente da Angola, é dona da portuguesa Terra Peregrin que, em 9 de Novembro, lançou uma OPA geral sobre a PT-SGPS, que tem apenas 25,6 pct da brasileira Oi e os 900 milhões de euros (ME) de dívida comprada da falida Rioforte, que incumpriu o pagamento.

Esta oferta voluntária, que tem um valor global de 1.210 milhões de euros (ME), teve como objetivo manter a empresa intacta ao travar a venda dos ativos de telecomunicações portugueses da PT Portugal que são detidos pela Oi.

A 12 de Novembro, os fundos de investimento Apax e Bain avançaram com uma oferta conjunta de 7.075 milhões de euros (ME) pelos activos portugueses da PT Portugal, um valor mais elevado do que a proposta de 7.025 ME da francesa Altice.

A Terra Peregrin tem, até 1 de Dezembro, de entregar o pedido de registo da OPA à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que pode aceitar a justificação e equidade da contrapartida desta oferta voluntária ou transformá-la numa oferta obrigatória, com uma contraparida superior.

A fonte próxima de Isabel dos Santos frisou que a contrapartida oferecida é justificada, equitativa, direta e imediata.

Adiantou que o preço da OPA já oferece aos actuais accionistas da PT-SGPS um prémio de M&A que poderá resultar no futuro de eventuais movimentos de consolidação no Brasil, que envolvam a Oi.

Explicou que, considerando que a posição líquida de caixa da PT-SGPS é de 62 ME, a oferta da Terra Peregrin valoriza a capitalização total da Oi em 4.484 ME ou 14.350 milhões de reais (MR), equivalente a 1,76 reais por acção da brasileira.

Lembrou que, a 7 de Novembro, sexta-feira que antecedeu à OPA da Terra Peregrini, a acção da Oi cotava no mercado a 1,29 reais/acção, ou seja a contrapartida financeira da OPA representa 36 pct de prémio versus esse valor.

Adiantou que, mesmo comparando com o preço de fecho de 25 de Novembro da Oi de 1,58 reais/acção, o prémio é de 11 pct, realçando que aqueles 1,58 reais é o segundo valor mais alto de cotação do último mês.

Esta fonte recordou que a 17 de Outubro o Tribunal de Comércio do Luxemburgo rejeitou a gestão controlada da RioForte, afectando consideravelmente as perspectivas de recuperação do valor emprestado.

Contudo, adiantou que a média da capitalização bolsista da PT-SGPS desde 17 de Outubro até 7 de Novembro, imediatamente antes do anúncio preliminar da OPA, foi de 1.030 ME, o que significa que os 1.210 ME da oferta da Terra Peregrini incorporam um prémio de 17 pct.

Salientou que, além disso, o valor de 1,35 euros/acção não inclui o valor que vier a ser recuperado da dívida da RioForte, que ficará para os actuais accionistas da PT-SGPS.

Por Sérgio Gonçalves; Editado por Patrícia Vicente Rua

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below