FOCO-Isabel dos Santos ambiciona liderança mundo Lusofonia com Oi, não sobe preço OPA

jueves 4 de diciembre de 2014 09:35 GYT
 

(Acrescenta citações, background)

Por Sergio Goncalves

LISBOA, 4 Dez (Reuters) - Isabel dos Santos lançou a OPA sobre a PT SGPS para ser um accionista 'chave' da Oi e retomar a ambição de criar um operador líder mundial na Lusofonia, considerando o preço da oferta justo e não estando disponível para revê-lo, disse Mário Silva, administrador da Terra Peregrin.

Adiantou que "este operador aplicaria as melhores práticas e permitiria sinergias relevantes", frisando: "queremos retomar o projecto industrial deste líder no mundo da lusofonia, envolvendo 260 milhões de pessoas e mais de 110 milhões de clientes".

Isabel dos Santos é a Chief Executive Officer (CEO) e uma das accionistas de referência da angolana Unitel - que lidera as telecoms em Angola e é a maior empresa privada angolana.

"A Terra Peregrin quer ser um accionista minoritário, não de controlo, mas relevante de um grupo no Brasil, com participações noutras áreas (geográficas)", disse Mário Silva aos jornalistas, referindo-se ao triângulo com vértices no Brasil, Portugal e Angola.

A 9 de Novembro, Isabel dos Santos, que é filha do presidente da Angola, lançou uma OPA geral sobre a PT SGPS a 1,35 euros por cada acção, que considera ser justo dado que a falência da Rioforte afectou consideravelmente as perspectivas de recuperação daquela dívida.

No início da semana, Isabel dos Santos entregou o pedido de registo da OPA geral sobre a PT-SGPS, numa operação que visa travar a venda dos activos portugueses de telecoms da PT Portugal, que são detidos pela brasileira Oi.

"Acreditamos muito no projecto que estamos a apresentar aos accionistas", frisando que "os accionistas da PT SGPS e da Oi têm de decidir se pretendem uma oferta firme, que permite um 'cash-in' imediato de 1,35 euros por acção equivalente a 2 reais, ou se preferem esperar por um movimento de consolidação no Brasil".   Continuación...