for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Ibovespa descola de NY e fecha em queda com ajustes; Pague Menos dispara em estreia

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa descolou de Wall Street e fechou em queda nesta quarta-feira, reflexo de ajustes após forte alta na véspera, com agentes financeiros reduzindo risco, enquanto aguardam definições no ambiente fiscal e nas reformas do país.

Imagem da cerimônia de estreia das ações da Lavvi na B3. Divulgação 2/9/2020

Índice de referência da bolsa brasileira, o Ibovespa caiu 0,25%, a 101.911,13 pontos, após tocar 102.823,88 pontos no começo da sessão e recuar a 100.871,79 pontos na mínima do dia.

O volume financeiro no pregão somou 22,2 bilhões de reais.

Para o gestor de renda variável Scott Hodgson, da Galapagos Capital, a volatilidade de agosto segue presente na B3, tendo no radar a movimentação em Brasília.

“Hoje traders reduziram risco no Brasil”, disse, observando que movimento também aconteceu em outros mercados emergentes.

O índice MSCI de referência para mercados emergentes mostrava queda de 0,1% no final da tarde. No México, o índice S&P/BMV IPC recuava 1,16%.

Para o analista de investimentos Igor Cavaca, da Warren, a indecisão sobre gastos governamentais no Brasil ainda preocupa, o que deve influenciar enquanto medidas claras não acontecerem.

“O mercado subiu ontem mais do que os fundamentos. Dessa forma, está realizando a alta hoje”, reforçou.

Apesar da queda nesta sessão e de uma volatilidade esperada, Hodgson avalia que o prognóstico para o Ibovespa até o final do ano é positivo, conforme o Brasil for reabrindo e se recuperando como se viu em outras economias afetadas pelo vírus.

“Isso vai acontecer aqui no Brasil também entre agora e o fim do ano. Particularmente se uma vacina (contra o coronavírus) for divulgada”, acrescentou.

Em Nova York, o S&P 500 avançou pela nona sessão de 10 pregões e voltou a renovar máximas históricas, desta vez apoiado em papéis considerados mais defensivos, como os de serviços de utilidade pública.

“Dados econômicos sólidos dos EUA e da China estão dando a investidores esperança de que a economia global possa se recuperar mais rápido do que o esperado da crise do Covid-19”, observou o analista Milan Cutkovic, da AxiCorp.

DESTAQUES

- SUZANO caiu 4,13%, em dia de queda do dólar e após começar setembro com forte alta, mesmo após ter subido 19,5% em agosto. KLABIN UNIT perdeu 2,68%, após acréscimo de 1,5% na terça-feira e 24,4% em agosto.

- FLEURY ON saltou 6,61%, um dia após o grupo de diagnósticos médicos anunciar a criação de empresa de tecnologia baseada na ciência de dados e inteligência artificial.

- ITAÚ UNIBANCO PN cedeu 0,21% e BRADESCO PN caiu 0,09%, em sessão de fraqueza das ações de bancos, embora tenham terminado longe das mínimas. BANCO DO BRASIL ON conseguiu ter alta de 0,12%.

- TOTVS ON subiu 3,47%, ante expectativas envolvendo a Linx, após anunciar na véspera oferta modificada pela empresa de software de gestão, após a StoneCo ter revisado acordo vinculante com a Linx. LINX ON teve alta de 0,08%. Em Nova York, STONECO caiu 0,81%.

- PETROBRAS PN fechou com variação negativa 0,31%, em meio à queda dos preços do petróleo no exterior. A companhia reduzirá o preço do diesel em 6% e o da gasolina em 3% a partir de quinta-feira, após consecutivas altas aplicadas nos valores dos combustíveis em suas refinarias.

- VALE ON perdeu 0,71%, mesmo com a alta dos preços do minério de ferro na China. A mineradora disse que recebeu declarações de condição de estabilidade negativas (DCEs) para seis estruturas geotécnicas em Minas Gerais.

- USIMINAS PNA avançou 0,38%, descolada do setor de mineração e siderurgia, tendo de pano de fundo crescimento de vendas de veículos novos em agosto ante julho no país, além de elevação do preço-alvo para 11 reais por analistas do UBS.

- PAGUE MENOS ON disparou 21,18%, a 10,30 reais, na estreia na B3 após precificar IPO a 8,50 reais na segunda-feira, em operação na qual levantou 746,9 milhões de reais.

- LAVVI ON caiu 5,26%, a 9 reais, também em estreia na bolsa paulista, após precificar IPO a 9,50 reais por papel na segunda-feira, levantando 1,027 bilhão de reais.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up