for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Ibovespa mostra fraqueza com notícias corporativas e cena político-fiscal do radar

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista mostrava alguma fraqueza nesta quarta-feira, diante da ausência de grandes novidades no cenário internacional, com notícias corporativas repercutindo no pregão, enquanto agentes seguem monitorando a frente político-fiscal.

REUTERS/Rahel Patrasso

Às 11:24, o Ibovespa .BVSP caía 0,36 %, a 101.746,74 pontos. O volume financeiro era de 5,3 bilhões de reais.

Analise técnica da corretora Safra afirma que o Ibovespa insiste em permanecer na região de indefinição de curto prazo. Do lado da alta, enfrentará resistência em 103.250 pontos e, do lado da baixa, o índice encontrará suporte em 98.500 pontos.

No exterior, o clima é de expectativa para o discurso do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, na reunião anual de Jackson Hole, na quinta-feira, principalmente sobre eventuais novas medidas para aquecer a economia dos EUA.

Em Nova York, o S&P 500 .SPX avançava 0,2%.

Pesquisa Reuters publicada nesta quarta-feira mostrou que o Ibovespa deve manter a recuperação nos próximos meses e fechar 2020 com pequena queda no acumulado do ano.

DESTAQUES

- MAGAZINE LUIZA ON MGLU3.SA valorizava-se 2,85%, renovando cotação recorde intradia a 90,93 reais na máxima até o momento, após anunciar novo programa de recompra de até 10 milhões de ações, equivalentes a 1,49% dos papéis em circulação, com prazo de 18 meses. No setor, VIA VAREJO ON VVAR3.SA avançava 1,21% e B2W ON BTOW3.SA tinha acréscimo de 0,20%.

- BRF ON BRFS3.SA recuava 2,4%, com empresas de alimentos no Ibovespa predominantemente no vermelho, tendo no radar notícia da véspera de que a cooperativa Aurora Alimentos suspendeu voluntariamente as exportações de carnes de aves para a China de sua unidade de Xaxim (SC). No setor, MINERVA ON BEEF3.SA cedia 2,07%, JBS ON JBSS3.SA caía 2,06% e MARFRIG ON MRFG3.SA perdia 1,63%.

- NOTRE DAME INTERMÉDICA ON GNDI3.SA subia 2,24%, após anunciar acordo para a compra do Grupo Medisanitas Brasil, com o valor da transação fixado em 1 bilhão de reais. "Outro movimento de M&A transformacional e muito positivo", afirmaram analistas do BTG Pactual. No setor de saúde, HAPVIDA ON HAPV3.SA valorizava-se 1,36%.

- RUMO ON RAIL3.SA mostrava declínio de 3,28%, após ganhos na véspera, depois de levantar 6,4 bilhões de reais em oferta de ações, que serão destinados a pagamento de outorgas devidas em contratos de concessão da companhia, além de projetos estratégicos que foram impulsionados pela recente renovação antecipada da concessão da Rumo Malha Paulista S.A.

- QUALICORP ON QUAL3.SA caía 0,62%, após avançar mais de 4% nos primeiros negócios, tendo no radar alta no lucro do segundo trimestre beneficiado pela alienação de ativos, além de anúncio de programa de recompra de ações. Para analistas da Mirae Asset, o resultado operacional frustrou mas o pior já passou e a empresa está pronta para recuperar a retomada de clientes e maior retenção de planos e melhora de margens.

- VALE ON VALE3.SA subia 0,44%, na esteira da alta dos futuros do minério de ferro na China. O destaque no setor de mineração e siderurgia, contudo, era GERDAU PN GGBR4.SA, em alta de 2,61%, seguida por USIMINAS PNA USIM5.SA avançando 0,61% e CSN ON CSNA3.SA valorizando-se 0,47%.

- PETROBRAS PN PETR4.SA e PETROBRAS ON PETR3.SA caíam 0,87% 0,90%, respectivamente, apesar do acréscimo nos preços do petróleo no mercado externo.

- BTG PACTUAL UNIT BPAC11.SA avançava 0,89%, na contramão dos grandes bancos de varejo do Ibovespa, com ITAÚ UNIBANCO PN ITUB4.SA recuando 0,82% e BRADESCO PN BBDC3.SA perdendo 0,8%.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up