for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Dólar reverte queda de mais cedo e fecha em alta com exterior negativo; ruídos locais pesam

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta quinta-feira, perto das máximas da sessão e depois de cair mais cedo, com a moeda ganhando tração especialmente durante a tarde conforme os mercados de risco no exterior pioraram o sinal.

Notas do dólar e do real são dispostas em corretora de câmbio no Rio de Janeiro. 15/09/2020. REUTERS/Ricardo Moraes.

Desconforto do lado doméstico também pesou, com incertezas sobre a política fiscal ainda dando o tom depois de o Tesouro Nacional ter realizado o maior leilão de prefixados já registrado (por métrica de risco de mercado) e ainda ter feito colocação parcial, o que pressionou a curva de juros e fez as taxas longas dispararem.

O dólar à vista subiu 0,38%, a 5,3200 reais na venda. A moeda oscilou entre queda de 0,57%, a 5,2699 reais na venda, por volta de 11h, e alta de 0,47%, para 5,325 reais, a caminho do fechamento do pregão no mercado à vista.

Na B3, o dólar futuro tinha alta de 0,16%, a 5,3195 reais, às 17h08.

Pelo gráfico abaixo é possível perceber que dólar no Brasil (em roxo) acompanhou a tomada de fôlego da moeda norte-americana no exterior.

O índice do dólar frente a uma cesta de moedas chegou ao fim da tarde em alta de 0,13%, depois de cair 0,6% na mínima da sessão. O fortalecimento ocorreu de forma simultânea a piora nos índices de ações em Wall Street, que reverteram altas de mais cedo e fecharam em queda. O Ibovespa caiu 2,4%, segundo dados preliminares, ficando bem abaixo dos 100 mil pontos.

O comentário nas mesas é que, de forma geral, os mercados estão entrando num período de maior incerteza, de olho na eleição presidencial dos EUA e na falta de acordo para um novo pacote de estímulo no país, num cenário de correção de excessos no setor de tecnologia e de dúvidas sobre os impactos da pandemia de coronavírus ainda em curso.

No Brasil, alta recente de preços de alguns produtos, como alimentos; postura do governo de “fiscalizar” supermercados sobre essas elevações; percepção de um enfraquecido ministro da Economia, Paulo Guedes, e receios sobre a capacidade de financiamento do Tesouro Nacional têm se somado ao viés externo mais cauteloso.

“Leilão gigante (de prefixados), Tesouro não colocou tudo. O recado está dado”, disse um profissional de uma gestora, referindo-se à oferta de 44,5 milhões de títulos públicos, entre LTN e NTN-F, realizada pelo Tesouro nesta quinta, que teve colocação de 93%, com a percepção de dificuldade do Tesouro de atrair compradores de papéis.

O DI janeiro 2025 chegou ao fim da tarde em disparada, perto de 20 pontos-base, ampliando ainda mais a inclinação ante os trechos curtos, o que representa um encarecimento de crédito ao setor produtivo que arrisca prejudicar o ritmo de recuperação econômica diante de um quadro fiscal já frágil.

Em relatório divulgado nesta quinta, o UBS avaliou que a questão das contas públicas segue como sombra para os ativos domésticos e que uma sinalização melhor nessa área é chave para o retorno dos investimentos de portfólio para o Brasil, passo necessário para que o real entre em tendência de apreciação.

O banco entende que “crescentes” riscos fiscais e saídas de recursos em carteira têm tido importante peso na magnitude da depreciação do real em 2020, de 24,57%, a mais forte entre as principais moedas.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up