for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Democratas são favoritos para controlar Senado dos EUA, mas resultados podem demorar

Vista do prédio do Congresso dos Estados Unidos em Washington 14/10/2020 Graeme Sloan/Sipa USA

WASHINGTON (Reuters) - Os democratas dos Estados Unidos são os favoritos para emergir de 14 disputas de Senados estaduais acirradas com o controle total do Congresso na eleição desta terça-feira, mas os resultados finais de ao menos cinco destas disputas podem demorar dias --e, em alguns casos, meses.

Como a desaprovação pública ao presidente Donald Trump está afetando republicanos de todo o país, os eleitores decidirão se encerram as carreiras políticas de alguns senadores republicanos, incluindo Lindsey Graham, aliado de Trump da Carolina do Sul, e a senadora moderada Susan Collins, do Maine.

No total, 12 cadeiras ocupadas por republicanos e duas vagas de democratas estão em jogo, com base em uma análise da Reuters de três institutos de pesquisa eleitoral apartidários – o Centro para Políticas da Universidade da Virgínia, o Cook Political Report e o Inside Elections.

“Existem brigas duras em todo o país”, disse o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, o republicano mais graduado do Congresso, em uma parada de campanha. Ele descreveu a possibilidade de os republicanos manterem a maioria do Senado em 50%.

A projeção parece otimista, segundo os três institutos de pesquisa. Eles preveem que os democratas podem terminar com até 55 dos 100 assentos do Senado, o que lhes daria uma maioria pela primeira vez em uma década tanto no Senado quanto na Câmara dos Deputados de 435 cadeiras, onde se espera que mantenham o comando.

Os democratas esperam inaugurar uma nova era política em Washington se seu candidato presidencial, Joe Biden, também vencer.

Nuestros Estándares: Los principios Thomson Reuters.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up