for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Em documento de impeachment, Democratas dizem que Trump ameaça segurança, Trump nega

Marcha das Mulheres em Manhattan 18/01/2020 REUTERS/Jeenah Moon People participate in the Women's March in Manhattan, New York, January 18, 2020. REUTERS/Jeenah Moon

WASHINGTON/PALM BEACH, Flórida (Reuters) - Parlamentares democratas dos EUA que lideram o processo de impeachment contra o presidente republicano Donald Trump disseram no sábado que o presidente deve ser destituído do cargo para proteger a segurança nacional e preservar o sistema de governo do país.

Em um documento de 111 páginas apresentado antes do início do julgamento no Senado de Trump na terça-feira, os parlamentares apresentaram seus argumentos apoiando acusações de abuso de poder e obstrução do Congresso contra o presidente.

“O Senado deveria condenar e remover o presidente Trump para evitar danos sérios e de longo prazo aos nossos valores democráticos e à segurança da nação”, disseram os parlamentares, pela primeira vez pedindo formalmente que o Senado condenasse o presidente e o destituísse do cargo.

“O caso contra o presidente dos Estados Unidos é simples, os fatos são indiscutíveis e as evidências são esmagadoras”, disseram eles.

O documento foi um apelo diretamente aos senadores para serem imparciais. “A história julgará a disposição de cada senador de se elevar acima das diferenças partidárias, ver os fatos honestamente e defender a Constituição”, disseram os gerentes em comunicado, observando que “o presidente não é rei”.

A equipe jurídica de Trump emitiu uma rejeição das acusações de impeachment, que foram lidas no Senado no início da semana, durante formalidades que prepararam o cenário para o julgamento. Eles devem divulgar uma resposta mais longa e separada ao informe preliminar dos democratas na segunda-feira.

Rejeitando as acusações, os advogados de Trump reiteraram a insistência do presidente, ecoada por muitos de seus colegas republicanos no Congresso, de que as acusações nada mais são do que uma tentativa partidária de removê-lo do cargo, um “ataque perigoso ao direito do povo americano de escolher livremente o presidente deles”.

“Esta é uma tentativa descarada e ilegal de reverter os resultados das eleições de 2016 e interferir nas eleições de 2020”, argumentaram eles em um documento de seis páginas divulgado no sábado.

Foi a primeira vez que Trump respondeu formalmente aos dois artigos de impeachment - abuso de poder e obstrução do Congresso - que a Câmara liderada pelos democratas aprovou no final do ano passado.

Por Steve Holland e Patricia Zengerle

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up