for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Protestos em Wisconsin deixam 2 mortos em terceira noite de violência

Manifestantes se protegem durante confronto com a polícia em Kenosha, no Wisconsin 25/08/2020 REUTERS/Brendan McDermid

KENOSHA, Wisconsin (Reuters) - Uma terceira noite de protestos irrompeu em violência armada na madrugada desta quarta-feira em Kenosha, no Estado norte-americano de Wisconsin, deixando duas pessoas mortas e uma ferida, após um policial local disparar contra um homem negro no fim de semana, informou a polícia.

Vídeos publicados nas redes sociais mostraram cenas caóticas de pessoas correndo e gritando em meio a uma rajada de tiros, enquanto outras tratavam ferimentos à bala. A cena ocorreu após uma noite de confusão que parecia ter se acalmado depois que a polícia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os manifestantes que desafiaram o toque de recolher.

O tiroteio, que começou pouco antes da meia-noite, matou duas pessoas e feriu uma terceira, que deve sobreviver, afirmou o Departamento de Polícia de Kenosha em um comunicado.

Multidões perseguiram um homem correndo pela rua com um fuzil por acreditarem que ele havia atirado em outra pessoa. O homem foi golpeado com um chute depois que caiu no chão, e outro tentou agarrar sua arma. Ele parecia ter levado um tiro à queima-roupa e caiu.

Outro vídeo mostrou um homem que parecia ter levado um tiro na cabeça enquanto pessoas próximas tentavam tratá-lo, e outras imagens mostravam um homem com um grave ferimento no braço.

Kenosha é palco de protestos desde domingo, quando a polícia atirou nas costas de Jacob Blake à queima-roupa.

Depois de lutar com a polícia, Blake se libertou e se afastou dos agentes, dirigindo-se ao lado do motorista de seu carro, onde foi baleado depois de abrir a porta, de acordo com um vídeo que se tornou viral. Três de seus filhos estavam no carro, disseram testemunhas.

Blake, de 29 anos, foi atingido por quatro dos sete tiros disparados e ficou paralisado, “lutando por sua vida”, disseram sua família e advogados na terça-feira, horas antes de irromper a recente rodada de agitações civis na cidade.

Reportagem adicional de Daniel Trotta, Kanishka Singh e Ann Maria Shibu

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up