for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Os amigos do Irã deveriam ter desafiado as sanções dos EUA durante a pandemia, diz presidente

(Reuters) - O presidente iraniano, Hassan Rouhani, castigou os amigos do Irã no sábado por não enfrentarem os Estados Unidos e ignorar as sanções dos EUA durante a pandemia do coronavírus.

O Irã, com mais de 380.000 casos registrados e mais de 22.000 mortes por coronavírus, é um dos países mais atingidos pela pandemia no Oriente Médio.

“Nos últimos meses, desde que o coronavírus chegou ao nosso país ... ninguém veio em nossa ajuda”, disse Rouhani em declarações transmitidas ao vivo pela televisão estatal.

Se os Estados Unidos “tivessem um pouco de humanidade e cérebro”, disse ele, teriam se oferecido para “suspender as sanções por um ano por causa do coronavírus”.

Mas os Estados Unidos “são muito mais cruéis e perversos do que essas coisas”, acrescentou. Em vez disso, “impôs novas sanções e pressões sobre nós ao longo dos últimos sete meses de coronavírus”.

Ao mesmo tempo, “nenhum país amigo nos disse que, neste tempo de coronavírus e dificuldades e pelo bem da humanidade, ‘enfrentaremos a América’” e faremos negócios com o Irã, apesar das ameaças de retaliação dos EUA, disse Rouhani.

Em março, o líder supremo iraniano aiatolá Ali Khamenei rejeitou uma oferta dos EUA para ajudar o Irã em sua luta contra a pandemia e denunciou os líderes dos EUA como “charlatões e mentirosos”.

As sanções são parte de um esforço dos EUA para reduzir as receitas iranianas depois que o presidente Donald Trump se retirou em 2018 do acordo nuclear de 2015 com o Irã.

Alimentos, remédios e outros suprimentos humanitários estão isentos das sanções, mas as proibições comerciais impediram vários bancos estrangeiros de fazer negócios com o Irã, incluindo o financiamento de acordos humanitários, provocando a escassez de alguns medicamentos.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up