for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Busca por sobreviventes é retomada após incêndios florestais nos EUA

PORTLAND, Estados Unidos (Reuters) - As equipes de resgate retomaram neste domingo as buscas por mortos entre as ruínas deixadas pelos enormes incêndios florestais que ocorrem em três Estados do oeste dos EUA, onde milhões de hectares queimaram nas últimas semanas e o temor é de que ocorram incidentes de “fatalidade em massa” no Estado do Oregon.

Uma blitz de incêndios florestais em Oregon, Califórnia e Washington destruiu milhares de casas e meia dúzia de pequenas cidades neste verão norte-americano, queimando uma área do tamanho de Nova Jersey e matando mais de duas dezenas de pessoas desde o início de agosto.

Depois de quatro dias de um clima brutalmente quente e com vento, o fim de semana trouxe ventanias mais calmas soprando do Oceano Pacífico em direção ao interior e condições mais frias e úmidas que ajudaram as equipes de bombeiros a avançar contra as chamas que haviam se espalhado sem controle no início da semana.

Ainda assim, as autoridades de emergência temem que a mudança do tempo não traga muito alívio ao sul do Oregon, onde uma cena apocalíptica de bairros residenciais e parques de trailers carbonizados se estendia por quilômetros ao longo da rodovia 99 ao sul da cidade Medford, passando pelas comunidades vizinhas de Phoenix e Talent.

“Estamos preocupados que a nova frente não vá trazer muita chuva aqui na região de Medford e sim ventos mais fortes”, disse o porta-voz do escritório de gerenciamento de terras local, Kyle Sullivan, em entrevista por telefone à Reuters neste domingo.

A governadora do Oregon, Kate Brown, chamou os incêndios perigosos de “evento único em uma geração”, e o diretor do escritório de gerenciamento de emergências do Oregon, Andrew Phelps, disse que as autoridades estão se preparando para a possibilidade de incidentes de “fatalidade em massa”.

Pelo menos dez pessoas morreram no Oregon, de acordo com o escritório de gerenciamento de emergência. Brown disse que dezenas de pessoas continuam desaparecidas em três condados.

“Haverá uma série de fatalidades, pessoas que simplesmente não puderam receber um aviso a tempo e não conseguiram evacuar suas casas e ficar em segurança”, disse Phelps ao programa MSNBC na última sexta-feira.

Na manhã de domingo, havia 38 incêndios ainda acontecendo no Oregon, de acordo com o site do escritório estadual de gerenciamento de emergências.

TRUMP VISITARÁ A CALIFÓRNIA

Na Califórnia, dezenas de milhares de bombeiros lutaram contra 28 grandes incêndios florestais na tarde de sábado, de acordo com o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios do Estado. A melhoria das condições meteorológicas os ajudou a obter um certo grau de contenção sobre a maioria das chamas.

A Casa Branca disse que o presidente Donald Trump se encontrará com autoridades federais e da Califórnia na segunda-feira. O presidente já disse que os governadores do oeste norte-americano têm parte da culpa pelas intensas temporadas de incêndios nos últimos anos, acusando-os de mau gerenciamento florestal.

O oponente democrata de Trump na eleição de novembro, Joe Biden, disse no sábado que os incêndios se devem às mudanças climáticas, ecoando os comentários feitos um dia antes pelo governador da Califórnia, Gavin Newsom.

Mais de 4.000 casas e outras estruturas foram incendiadas somente na Califórnia nas últimas três semanas. Um milhão e 200 mil hectares de terra foram queimados no estado, de acordo com o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios.

Reportagem adicional de Carlos Barria, Adrees Latif, Dan Whitcomb, Jonathan Allen, Jeff Mason, Gabriella Borter e Aishwarya Nair

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up