for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Peru busca terceiro presidente em uma semana para tentar sair de crise

LIMA (Reuters) - Parlamentares do Peru e o principal tribunal do país se preparavam para debater nesta segunda-feira quem deveria assumir como presidente, depois que o Congresso foi incapaz de indicar durante a madrugada um candidato para se tornar o terceiro líder no espaço de uma semana marcada por protestos com mortos.

Pessoas se reúnem do lado de fora do Congresso peruano em Lima 15/11/2020 REUTERS/Angela Ponce

O líder interino do país andino, Manuel Merino, renunciou no domingo. Na semana passada, o impeachment do presidente de centro Martín Vizcarra desencadeou protestos e mergulhou o Peru em uma crise constitucional.

O turbilhão político aumenta a incerteza enfrentada pelo segundo maior produtor de cobre do mundo, já abalado pela Covid-19 e rumando para sua pior retração econômica em um século.

Fragmentado e impopular, o Congresso peruano votaria nesta tarde depois de uma primeira votação fracassa à meia-noite para abonar o único nome apresentado na ocasião, Rocío Silva-Santisteban -- uma defensora de direitos humanos de esquerda.

“Existe uma imaturidade política de alguns e uma falta de autoconsciência de outros diante do que aconteceu no país na semana passada”, disse o parlamentar Alberto de Belaúnde, do Partido Morado, a repórteres.

Agora sua sigla de centro está indicando o parlamentar Francisco Sagasti, um engenheiro industrial de 76 anos e ex-funcionário do Banco Mundial.

“O principal para o Peru é recuperar a estabilidade e este pesadelo acabar”, acrescentou Belaúnde.

A crise recente começou quando Vizcarra, um político popular independente que se chocava há tempos com o Congresso devido à sua postura anticorrupção, foi retirado do cargo pela legislatura na semana passada devido a alegações de corrupção -- que ele nega.

Foi o segundo processo de impeachment enfrentado por Vizcarra em dois meses, após ele sobreviver ao primeiro em setembro.

Merino, que como presidente do Congresso comandou as duas iniciativas de impeachment, sucedeu Vizcarra, mas também renunciou depois que duas pessoas morreram em protestos contra seu governo recém-formado e parlamentares ameaçaram afastá-lo a menos que ele deixasse o posto.

O principal tribunal do Peru também começará a debater nesta segunda-feira se o impeachment e o afastamento de Vizcarra foram constitucionais, o que pode abrir as portas para uma volta dramática.

(Reportagem adicional de Rodrigo Campos, em Nova York)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Nuestros Estándares: Los principios Thomson Reuters.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up