for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Favorito a premiê do Japão diz que coronavírus será prioridade em eventual convocação de eleição

Yoshihide Suga discursa no início da disputa pela liderança do partido governista do Japão 08/09/2020 Yoshikazu Tsuno/Pool via REUTERS

TÓQUIO (Reuters) - Com a disputa por uma nova liderança do partido governista do Japão formalmente iniciada nesta terça-feira, o secretário-chefe de gabinete e favorito ao cargo, Yoshihide Suga, disse que evitar a proliferação do coronavírus precisa ser uma prioridade em uma eventual decisão de convocar uma eleição antecipada.

Suga, o mais cotado para suceder o atual primeiro-ministro, Shinzo Abe, que está renunciando devido a problemas de saúde, também sublinhou que o maior trabalho do novo premiê será reativar a economia devastada pelo coronavírus.

“Pensando na dissolução do Parlamento e em uma eleição geral, é claro, temos que priorizar a situação da infecção de coronavírus”, disse Suga em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira.

“O que todo nosso povo está esperando é ver a infecção de coronavírus contida o mais cedo possível para que possa se sentir seguro e suas vidas cotidianas voltarem ao normal”.

Muitos acreditam que Suga vencerá a eleição pela liderança do governista Partido Liberal Democrata (PLD) no dia 14 de setembro, data estabelecida depois da decisão de Abe de entregar o cargo no mês passado. É praticamente certo que o vencedor se tornará premiê devido à maioria parlamentar do PLD.

Os mercados têm repercutido especulações segundo as quais Suga, se eleito, pode convocar uma eleição antecipada para solidificar seu controle político. Em uma entrevista ao jornal Asahi Shimbun, ele sinalizou que existe uma chance de fazê-lo, mas alertou que o coronavírus impactaria qualquer decisão do tipo.

Essa especulação ganhou força depois que pesquisas de opinião mostraram um salto na aprovação das conquistas de Suga e Abe.

A disputa entre Suga e dois rivais --Shigeru Ishiba, ex-ministro da Defesa, e Fumio Kishida, ex-ministro das Relações Exteriores-- começou formalmente nesta terça-feira, mas ele já obteve o apoio da maioria das alas do partido.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up