for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

Medo de segunda onda de Covid-19 aumenta risco de novos isolamentos

LONDRES (Reuters) - O temor de uma segunda onda de infecções de Covid-19 cresceu nesta sexta-feira devido a um aumento diário recorde na Índia, alertas contra a complacência na Europa e notícias de meia dúzia de Estados norte-americanos de que seus leitos hospitalares estão sendo ocupados com rapidez.

Roma, Itália 28/5/2020 REUTERS/Guglielmo Mangiapane

Nos últimos dias, autoridades de saúde de todo o mundo expressaram o receio de que alguns países às voltas com o impacto econômico devastador dos isolamentos possam suspender as restrições rápido demais e que o coronavírus possa se disseminar durante protestos antirracismo em massa.

Wall Street sofreu sua pior queda em três meses na quinta-feira por causa do temor de uma recaída, e nesta sexta-feira ações de todo o globo mantiveram uma sequência de perdas de quatro dias.

Na China, onde o novo coronavírus surgiu, dois casos novos de Covid-19, a doença que ele causa, foram registrados na capital um dia depois de o governo municipal adiar planos para que alguns estudantes voltassem às escolas.

A Índia reativou a maior parte do transporte público, escritórios e shopping centers nesta semana depois de quase 70 dias, embora as autoridades de saúde tenham dito que o país ainda levará semanas para achatar a curva crescente de infecções.

Embora as novas infecções estejam diminuindo na maior parte da Europa, especialistas de saúde veem um risco entre moderado e alto de aumentos pós-isolamento justificarem novas restrições.

“A onda inicial de transmissão passou do pico em todos os países, tirando Polônia e Suécia”, disse o Centro de Controle e Prevenção de Doenças Europeu (ECDC), prevendo uma aceleração moderada no continente nas próximas semanas.

O centro observou, porém, que agora os governos têm medidas de controle para verificar e reverter tendências de alta dentro de duas a três semanas.

Andrea Ammon, diretora do ECDC, enfatizou a importância de se manter o distanciamento físico, a higiene das mãos e o que chamou de “etiqueta respiratória”.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em uma cerimônia realizada em Genebra no final de quinta-feira que “a ameaça de um ressurgimento continua muito real”.

Reportagem adicional de redações da Reuters de todo o mundo

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up