for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Brazil

OMS condena "nacionalismo da vacina" em mais recente esforço contra estoques de países

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, durante entrevista coletiva em Genebra 30/01/2020 REUTERS/Denis Balibouse

GENEBRA/MANILA (Reuters) - Países que acumulam possíveis vacinas contra a Covid-19 enquanto excluem outras nações irão aprofundar a pandemia, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta terça-feira, lançando um novo apelo para que governos se juntem a um pacto global de vacinas.

A OMS tem prazo até 31 de agosto para que as nações mais ricas se juntem ao Covax, um esquema projetado para garantir acesso rápido e equitativo globalmente às vacinas contra a Covid-19. Tedros afirmou ter enviado uma carta aos 194 Estados-membros da OMS pedindo a participação.

A agência global de saúde também levantou preocupações de que a disseminação da pandemia está sendo impulsionada atualmente por pessoas mais jovens, muitas das quais sem saber que estão infectadas, o que representa um perigo para grupos vulneráveis.

A pressão de Tedros para que as nações se juntem ao Covax ocorre no momento em que União Europeia, Reino Unido, Suíça e Estados Unidos fazem acordos com empresas que testam vacinas em potencial. A Rússia e a China também estão trabalhando em vacinas, e a OMS teme que interesses nacionais possam impedir os esforços globais.

“Precisamos prevenir o nacionalismo da vacina”, disse Tedros em uma coletiva de imprensa virtual. “Compartilhar suprimentos finitos de forma estratégica e global é, na verdade, de interesse nacional de cada país.”

A Comissão Europeia incentivou que os Estados da UE contornem a iniciativa liderada pela OMS, citando preocupações com custo e velocidade.

O Brasil também já firmou acordos individuais para obter possíveis vacinas. O Ministério da Saúde assinou acordo com o laboratório britânico AstraZeneca para obter a possível vacina desenvolvida pela empresa com a Universidade de Oxford, enquanto o governo de São Paulo assinou parceria com a chinesa Sinovac Biotech.

Mais de 21,9 milhões de pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo e 772.647 morreram, de acordo com uma contagem da Reuters.

Reportagem de Ed Davies, Karen Lema, Neil Jerome Morales, Stephanie Nebehay, Michael Shields e John Miller

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up