December 31, 2019 / 9:05 PM / 3 months ago

Mundo saúda ano novo em meio a protestos e incêndios

Por Swati Pandey e Jessie PANG e Twinnie Siu

Manifestantes antigoverno protestam durante a contagem regressiva para 2020 na véspera de Ano Novo em Hong Kong, China. 01/01/2020. REUTERS/Lucy Nicholson

SYDNEY/HONG KONG (Reuters) - O mundo entrou no novo ano com espetaculares fogos de artifício de Sydney a Tóquio, embora as celebrações na Austrália tenham sido ofuscadas por incêndios fatais e o clima festivo em Hong Kong e na Índia tenha sido atenuado por protestos.

Cerca de um milhão de pessoas lotaram o porto de Sydney e os distritos próximos para assistir a mais de 100 mil fogos de artifício explodirem sobre a cidade, mesmo quando milhares de pessoas ao longo da costa leste da Austrália procuravam refúgio dos incêndios nas praias.

    Milhares em Hong Kong que receberam 2020 em passeios iluminados por neon no pitoresco Victoria Harbour começaram a gritar palavras de ordem pró-democracia logo após a contagem regressiva para a meia-noite.

As autoridades de Hong Kong cancelaram a principal exibição de fogos de artifício à meia-noite pela primeira vez em uma década, citando preocupações de segurança. Em vez disso, ocorreu uma “Sinfonia de Luzes”, envolvendo projeções nos arranha-céus mais altos da cidade, enquanto pirotecnia de menor escala foi lançada dos telhados à beira-mar.

Sydney decidiu seguir adiante com seus fogos de artifício, apesar das solicitações de parte da população para que o show fosse cancelado em solidariedade às áreas atingidas pelo fogo em Nova Gales do Sul, da qual a cidade é a capital.

Em outros lugares, pessoas de Auckland, na Nova Zelândia, a Pyongyang, capital da isolada Coreia do Norte, receberam o novo ano com queima de fogos. No Japão, as pessoas revezavam-se para tocar os sinos dos templos budistas, de acordo com a tradição.

“PERSISTA EM 2020”

Em Hong Kong, cidade abalada por meses de manifestações pró-democracia às vezes violentas, os manifestantes foram convidados a usar máscaras em um comício de Ano Novo chamado “Não se esqueça de 2019 - persista em 2020”, de acordo com publicações nas redes sociais.

Os protestos começaram em junho em resposta a um projeto de lei, agora retirado, que permitiria extradições para a China continental, onde os tribunais são controlados pelo Partido Comunista, e evoluíram para um movimento pró-democracia mais amplo.

Milhares de indianos também planejaram saudar o ano novo com protestos, enfurecidos por uma lei de cidadania que dizem discriminar os muçulmanos e acabar com a constituição secular da Índia.

As manifestações foram planejadas em Nova Délhi, durante o segundo inverno mais frio em mais de um século, além de Mumbai e outras cidades.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below