November 5, 2019 / 3:11 PM / 12 days ago

Visita de presidente eleito da Argentina ao México aponta nova aliança da esquerda latino-americana

Presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, e presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador durante encontro no Palácio Nacional na Cidade do México 04/11/2019 Assessoria de Imprensa de Andrés Manuel López Obrador/Divulgação via REUTERS

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - A perspectiva de uma esquerda latino-americana mais unida cresceu na segunda-feira, quando o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, e o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, debateram a retomada de uma alternativa diplomática regional à Organização dos Estados Americanos (OEA), que é vista como influenciada pelos Estados Unidos.

Os países latino-americanos vêm oscilando entre governos de esquerda e conservadores, muitas vezes com políticas econômicas e sociais radicalmente diferentes, nas últimas décadas.

Desde o ano passado, a revolta com a corrupção, a desigualdade e a pobreza expulsaram conservadores do México e da Argentina e atiçaram protestos que forçaram o Equador e o Chile a amenizar políticas econômicas liberais nas últimas semanas.

O presidente eleito argentino aproveitou sua primeira visita ao exterior desde que conquistou o cargo no mês passado para proclamar uma nova era de cooperação de esquerda, em uma tentativa aparente de demonstrar que não ficará isolado na região, apesar de o Brasil ter um governo de direita liderado pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Estou determinado a unir a América Latina novamente, a voltar a unir forças para enfrentar o desafio da globalização de outra maneira”, disse Fernández a repórteres no palácio presidencial do México depois de se reunir com López Obrador.

No ano que vem, o México assumirá a presidência da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), entidade regional estabelecida pela Venezuela durante o governo do falecido presidente Hugo Chávez que perdeu influência nos últimos anos.

“Esta é uma chance de fortalecer um dos organismos, um dos espaços de integração que foram esquecidos recentemente”, disse Fernández sobre a Celac, vista por alguns da esquerda como um contrapeso à OEA — que argumentam ser um veículo da influência dos Estados Unidos na América Latina.

Reportagem adicional de Ana Isabel Martinez, Daina Beth Solomon e Dave Graham, na Cidade do México

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below