November 27, 2019 / 11:46 AM / in 15 days

Cerco a universidade de Hong Kong se aproxima do fim após últimas buscas por manifestantes

Agentes de saúde deixam a Universidade Politécnica de Hong Kong 27/11/2019 REUTERS/Leah Millis

HONG KONG (Reuters) - Como as últimas buscas por manifestantes pró-democracia ainda escondidos na Universidade Politécnica de Hong Kong se mostraram sem resultado nesta quarta-feira, autoridades acadêmicas se preparavam para a limpeza do local após um cerco de quase duas semanas do batalhão de choque da polícia ao campus.

A polícia ainda protegia o perímetro enquanto equipes de segurança vasculhavam pelo segundo dia o labirinto de edifícios do campus, um dos palcos dos protestos que emergiram em junho e tomaram a cidade nas últimas semanas. A vice-presidente-executiva da Universidade Politécnica, doutora Miranda Lou, disse que ninguém foi encontrado.

“Esperamos poder reabrir a escola em breve para iniciar nossa obra de reforma e reduzir o impacto sobre nossos estudantes e nossos projetos de pesquisa”, disse.

A universidade situada na península de Kowloon foi transformada em um campo de batalha em meados de novembro, quando manifestantes se entrincheiraram do lado de dentro e se chocaram com o batalhão de choque em meio a uma chuva de coquetéis molotov, canhões de água e gás lacrimogêneo. Cerca de 1.100 pessoas foram presas na semana passada, algumas enquanto tentavam fugir.

Nesta quarta-feira, a universidade pediu que departamentos do governo ajudem a remover “materiais perigosos” do local, que está repleto de restos estragados e detritos do cerco, exortando as autoridades a adotarem uma postura “humanista”.

O maior partido pró-establishment da cidade, a Aliança Democrática para a Melhoria e o Progresso de Hong Kong, pediu às autoridades que enviem médicos ao campus para levar quaisquer manifestantes remanescentes ao hospital.

Os ativistas estão revoltados com o que veem como uma interferência de Pequim nas liberdades prometidas à ex-colônia britânica quando foi devolvida ao controle chinês em 1997.

A China nega interferir e se diz comprometida com a fórmula “um país, dois sistemas” adotada à época.

O campus da Universidade Politécnica foi o último dos cinco que manifestantes ocuparam para usar como bases para transtornar a cidade. Centenas de pessoas podem receber penas de prisão devido à sua ligação com os tumultos.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below