August 21, 2019 / 7:15 PM / a month ago

Peste suína na China faz setor de carnes do Brasil viver bonança após tempestade

SÃO PAULO (Reuters) - Após um período de “tempestade”, marcado por custos em alta, investigações de questões sanitárias e embargos internacionais, a indústria de carnes do Brasil vive um tempo de “bonança perfeita”, afirmaram nesta quarta-feira dirigentes da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Processamento de carnes em um frigorífico em São Paulo 09/09/2005 REUTERS/Paulo Whitaker

O principal fator para esse momento, que deve consolidar ainda mais a liderança do Brasil na exportação global de carne de frango, é a maior demanda da China e de outros países atingidos pela peste suína africana.

A doença que tem reduzido rebanhos em várias regiões, especialmente no gigante asiático, o maior consumidor de cortes de porco, tem elevado preços, alterado fluxos comerciais globais e impulsionado a demanda por outras carnes, além da suína.

“Deu a tempestade perfeita, e agora veio a bonança perfeita: produção baixa (no Brasil), mercado interno estável, tem mercados exportadores puxando as mercadorias, ambiente de custos estável (de matérias-primas), é agora o momento de consolidar a recuperação do setor”, disse o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, aos apresentar projeções para o ano a jornalistas.

Não bastassem os preços estarem maiores em dólares, com a maior demanda dos importadores na esteira das compras chinesas, no Brasil o dólar forte frente ao real também tem favorecido o setor exportador recentemente.

Isso vem após a indústria de carnes ter sofrido reveses seguidos, que incluíram o impacto da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, greve de caminhoneiros em maio de 2018 e alta de custos no ano passado, quando a safra de milho, principal matéria-prima do setor, registrou expressiva quebra.

“As condições de insumos estão positivas, a safra norte-americana já não é mais um temor... e para coroar ainda temos um dólar (favorável a exportações)”, disse Santin, lembrando que, após a “tempestade”, o setor está com o menor alojamento de aves em cinco anos, o que também reduz custos.

O segmento é dominado no Brasil por grandes companhias, como BRF e JBS. A primeira voltou a registrar lucro trimestral após nove meses no vermelho, e a segunda teve ganhos no segundo trimestre de mais de 2 bilhões de reais.

A ABPA, que representa os produtores de carnes de frango e suína, disse que pode terminar o ano com projeções ainda maiores de exportações do que a expectativa atual, com possibilidade de marcar novos recordes.

As exportações de carne de frango do Brasil deverão atingir 4,3 milhões de toneladas em 2019, estimou nesta quarta-feira a ABPA, projetando conservadoramente aumento de cerca de 200 mil toneladas ante 2018.

Já os embarques de carne suína do Brasil poderão crescer para 720 mil toneladas, versus 646 mil toneladas em 2018.

“O principal ‘driver’ de todos os eventos é a peste suína, está causando uma disrupção na oferta global”, ressaltou o diretor-executivo da ABPA.

“Falamos muito da China, mas é um processo da Ásia, onde outros países estão sendo afetados pela peste suína”, acrescentou Santin, destacando ainda que nações da Europa e da África também têm registrado casos da doença.

Além da China, houve peste suína africana em Hong Kong, Bulgária, Romênia, Rússia, Ucrânia e Vietnã, além de países africanos, como África do Sul e Nigéria, segundo a Organização Mundial de Saúde Animal.

OPORTUNIDADE

O presidente da ABPA, Francisco Turra, lembrou que especialistas afirmam que a China vai levar anos para se recuperar do problema, o que pode representar para o Brasil, por outro lado, a mesma “oportunidade” oferecida pela gripe aviária, em 2005.

A doença avícola atingiu nações na Ásia, Europa e América do Norte no passado, permitindo que o Brasil, livre da doença, avançasse nas exportações.

“A China não vai arrumar a casa em três anos, eles não vão voltar com o mesmo rebanho”, disse Turra, ressaltando que o Brasil tem todas as condições de ocupar esses mercados.

Questionado se a guerra comercial entre China e EUA, cuja carne suína também é taxada pelos chineses, poderia favorecer o Brasil, Turra comentou apenas que tal disputa “fideliza” o produto brasileiro.

O dirigente ressaltou que a ABPA tem memorandos de entendimentos e está estreitando relacionamento comercial com a China, para eventualmente viabilizar mais habilitações de frigoríficos brasileiros pelos chineses.

“Estamos prontos para aumentar as plantas para a China, mas quando vai aumentar, ela é que decide, é uma decisão comercial deles, se quiserem mais, estamos aqui”, adicionou Santin.

Já Turra avalia que, mesmo pressionado, o governo chinês pode estar relutante em autorizar novas plantas em meio a uma estratégia comercial.

Enquanto isso, aquelas unidades habilitadas a exportar aos chineses podem trabalhar com animais mais pesados e mesmo deixar de fornecer ao mercado interno, como alternativa para abastecer os asiáticos.

Segundo ele, a China pode comprar outros produtos que não são de seus hábitos alimentares. Prova disso é o fato de o pé de frango estar valendo mais do que o peito, disse Santin.

Neste contexto, os preços no mercado interno devem seguir sustentados.

“Quem quiser comer pernil suíno, congele agora, porque vai ser difícil de encontrar”, brincou Santin, destacando que vendedores de carnes nos mercados interno e externo estão disputando as mercadorias.

De janeiro a julho, a exportação de carne de frango do Brasil para a China cresceu 21%, para 311 mil toneladas, segundo dados da ABPA, que apontou embarques para todos os destinos subindo quase 6% no período, 2,4 milhões de toneladas.

Já as exportações de carne suína do Brasil para a China no mesmo período cresceram 31%, para 115 mil toneladas, informou a ABPA, que registra crescimento de quase 20% nos embarques totais, para 414,5 mil toneladas.

De outro lado, a produção de carne de frango do Brasil deve crescer apenas 1%, para 13 milhões de toneladas em 2019, enquanto a de suínos deve aumentar até 2,5%, para 4,1 milhões de toneladas.

Por Roberto Samora

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below