November 29, 2018 / 10:05 PM / 17 days ago

CCR fecha acordo sobre caixa 2, paga R$81,5 mi e ações disparam 11%

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da CCR dispararam nesta quinta-feira após a empresa de concessões de infraestrutura ter firmado acordo com o Ministério Público de São Paulo (MP/SP), comprometendo-se a pagar 81,5 milhões de reais para encerrar um inquérito por pagamento de caixa 2.

Vista de trecho da rodovia dos Imigrantes 08/06/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

O acordo chamado pelos promotores de Termo de Autocomposição veio após a própria CCR ter procurado o MP/SP em julho, depois que Adir Assad, delator na operação Lava Jato, ter dito no começo do ano que operou caixa 2 para a companhia.

Segundo o MP/SP, ex-executivos da CCR revelaram o pagamento de 44 milhões de reais, em valores corrigidos, a pelo menos 10 políticos de expressão nacional entre 2009 e 2013.

Sem mencionar nomes, o promotor José Carlos Blat afirmou a jornalistas que o caso é “o começo de uma grande investigação contra agentes públicos” e que o MP/SP deve propor uma ação a respeito até março de 2019, quando se espera que o acordo seja homologado pela Justiça.

Nos depoimentos, a CCR argumentou que as contribuições foram feitas como parte “da regra do jogo para não ficar numa situação constrangedora de não dar para determinados políticos em determinadas esferas diante da figura e dos status que detinham”, disse Blat.

O acordo implica que a CCR também terá que obedecer a regras de compliance firmadas com os promotores, que alertaram também para a possibilidade de o acordo ser cancelado se posteriormente o MP/SP constatar que a companhia recebeu contrapartidas, o que configuraria corrrupção.

“Fizemos várias constatações, inclusive uma auditoria trazida pela própria CCR a demonstrar que se tratava efetivamente de dinheiro não contabilizado da empresa e que não existia nenhuma contrapartida. O ato de corrupção exige que haja uma contrapartida”, afirmou Blat.

Como reação ao anúncio, as ações da CCR dispararam, fechando com alta de 11,2 por cento.

Analistas atribuíram o avanço das ações ao entendimento de que a companhia obteve um acordo bastante positivo, pagando um preço relativamente pequeno.

Para a equipe do BTG Pactual, “a alta das ações parece justificável, dado que a multa parece relativamente pequena e o acordo tira uma pressão do papel”.

Uma das maiores operadoras de concessões de rodovias do país, a CCR administra o sistema Anhanguera/Bandeirantes e o Anchieta/Imigrantes, ambas em São Paulo. A empresa também é alvo de uma investigação derivada da Lava Jato devido a supostas irregularidades cometidas por sua subsidiária Rodonorte.

Com reportagem adicional de Paula Laier

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below