February 1, 2019 / 8:56 PM / 15 days ago

Disparada nos preços de energia atinge comercializadora e gera tensão no mercado

SÃO PAULO (Reuters) - Uma disparada de preços no mercado livre de energia desde o fim de 2018 pegou no contrapé uma comercializadora que negociou enorme volume de vendas futuras e agora não tem energia para entregar e nem recursos para fechar suas posições vendidas, o que tem gerado temores de um pesado calote no setor, disseram operadores do mercado à Reuters.

A crise atingiu a Vega Energy, empresa criada no ano passado, que ficou com exposição financeira para 2019 negativa avaliada no momento em cerca de 180 milhões de reais junto a mais de 50 companhias, segundo uma lista elaborada por comercializadoras afetadas e repassada à Reuters por uma fonte atingida pelo problema.

A fonte acrescentou que a Vega, que tem capital social de 15 milhões de reais, tem sinalizado que só conseguirá cumprir seus compromissos no máximo até fevereiro, a não ser que houvesse uma reversão extraordinária no quadro de chuvas, o que gera pânico no mercado de eletricidade, com temores de que o “calote” na entrega de energia afete outras comercializadoras.

Isso porque empresas que compraram da Vega e revenderam para terceiros poderão agora se descobrir sem a energia que esperavam ter para entregar. Se precisarem comprar energia no mercado para cobrir o rombo, elas encontrarão preços muito maiores e abaixo dos que praticaram em suas vendas.

“Eu tomei um prejuízo, mas minha posição com eles já zerei e tenho como suportar... a questão é que isso pode ser só a ponta do iceberg. Isso pode gerar um rastro de devastação, levar outras comercializadoras junto, principalmente as pequenas, que não tiverem condição financeira de suportar o tranco”, disse o presidente Bid Comercializadora, Leandro Parizotto.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável pela operação do mercado, decidiu nesta sexta-feira impedir a Vega Energy de registrar novos contratos que aumentem sua exposição financeira, segundo ata de reunião do Conselho de Administração do órgão.

“Foi um desastre. Um erro de cálculo de risco fez com que essa comercializadora ficasse numa posição vendida muito grande e o mercado explodiu (em preços). Ela tomou uma posição muito maior do que aguentava em termos financeiros”, afirmou o presidente da Comerc Energia, Cristopher Vlavianos.

A Comerc possui uma posição comprada junto à Vega avaliada em cerca de 7,5 milhões de reais, o que a colocaria como a sétima empresa mais afetada em um eventual calote, segundo a lista que circula pelo mercado.

As mais impactadas seriam Boven Comercializadora, com 49,6 milhões de reais, Bio Energias, com 37 milhões, e Rio Alto, com 11,2 milhões.

Procurado, o presidente da Vega Energy, Abenaias Silva, disse que a empresa tomou posição com base em diversas previsões que apontavam para boas chuvas e preços baixos, mas foi surpreendida pela mudança de cenário e não conseguiu se proteger devido a uma baixa liquidez e uma corrida também de outras empresas para comprar energia após a deterioração da hidrologia.

“Tomamos uma posição maior para 2019 acreditando em todos modelos de previsão de chuvas...90% das empresas do mercado levaram essa ‘invertida’ e todas perderam dinheiro, só que a Vega perdeu muito mais”, afirmou.

“O que quero ressaltar é que em nenhum momento a empresa teve a intenção de lesar o mercado. A empresa não agiu de má fé.”

Não foi possível falar com Boven, Bio Energias e Rio Alto, mas outras quatro comercializadoras presentes na lista confirmaram sob a condição de anonimato que os números batem com suas posições.

Elas ressaltaram ainda que as exposições podem crescer devido à tendência de continuidade de alta nos preços spot da energia.

CENÁRIO VIROU

O problema enfrentado pela Vega teve origem em uma virada no mercado de eletricidade, conforme chuvas abundantes na maior parte do último trimestre do ano passado levaram muitos a apostarem em preços da energia mais baixos para 2019, principalmente no primeiro semestre, segundo operadores.

A partir da última semana de dezembro, no entanto, o cenário mudou para uma seca na região das hidrelétricas —as chuvas em janeiro ficaram em apenas 64 por cento da média histórica no Sudeste, em época conhecida como “período chuvoso” do setor de energia.

Com isso, o preço spot da energia saltou de quase 79 reais por megawatt-hora em dezembro para média de 192 reais em janeiro. Em fevereiro, com nova previsão negativa para as chuvas, as cotações saltaram para mais de 460 reais.

“Foi um dos movimentos mais bruscos da história do mercado”, disse o presidente da Esfera Energia, Braz Justi. “Esse que talvez tenha sido o problema, não teve um movimento de o preço ir e depois voltar”, afirmou ele, lembrando que isso daria uma porta de saída para os agentes vendidos.

Nessa situação, acrescentou Justi, muitas comercializadoras envolvidas em operações com a Vega poderão agora enfrentar dificuldade para encontrar energia no mercado e fechar suas posições, principalmente porque as outras empresas ficarão receosas de fechar negócios com essas contrapartes.

Segundo ele, a situação ressalta a importância de as comercializadoras avaliarem bem os riscos das empresas com quem fazem negócios, principalmente porque um evento como esse deve aumentar a percepção de risco no mercado em geral e reduzir a liquidez das operações.

INTERVENÇÃO

Em meio aos problemas da Vega Energy, uma das saídas que começa a ser discutira envolve um movimento similar a uma liquidação forçada da empresa, na qual os credores assumiriam o comando e tentariam mitigar as perdas com operações daqui em diante, disse Vlavianos, da Comerc.

Ele lembrou que operação como essa aconteceu após problema enfrentado no ano passado com dificuldades financeiras da comercializadora Cowat, quando empresas incluindo a própria Comerc atuaram em conjunto para reduzir um impacto negativo estimado em 90 milhões de reais para cerca de 36 milhões.

“É uma intervenção feita pelos credores, é como se fosse uma liquidação para reduzir a exposição e o prejuízo administrando essa operação”, explicou.

O presidente da Vega Energy disse que tem conversado com as comercializadoras dispostas a ajudar. “Nós precisamos de ajuda do mercado e estamos avaliando essa ajuda. Nós vamos conseguir sair dessa situação se o mercado nos ajudar. O único erro foi ficar mais exposto.”

Segundo ele, o movimento exigiria medida da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) para impedir a Vega Energy de fechar contratos que ampliem sua exposição negativa.

Procurada, a CCEE não comentou de imediato.

Segundo ata de reunião do Conselho de Administração da CCEE, a decisão de travar novos registros de contratos pela Vega se justificou porque as regras de comercialização permitem “medidas excepcionais e urgentes” para impedir ou mitigar os efeitos de ações “que possam causar prejuízos ao mercado”.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below