November 12, 2019 / 5:16 PM / a month ago

Socialistas e Podemos alcançam acordo preliminar para coalizão na Espanha

MADRI (Reuters) - Os socialistas espanhóis e o partido Unidas Podemos, de extrema-esquerda, chegaram na terça-feira a um acordo sobre as bases para um governo de coalizão, apenas dois dias após uma eleição parlamentar resultar em um Parlamento altamente fragmentado.

Primeiro-ministro interino da Espanha, Pedro Sánchez, ao lado do líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, em Madri 12/11/2019 REUTERS/Sergio Perez

A eleição —a quarta em quatro anos no país— deixou o Parlamento espanhol ainda mais dividido do que a votação anterior em abril, com o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) mantendo sua liderança, mas ainda mais longe da maioria.

“É um acordo há quatro anos”, disse o líder socialista Pedro Sánchez, que atualmente atua como primeiro-ministro, depois de assinar o pacto com o líder do Podemos, Pablo Iglesias.

O acordo preliminar inesperadamente rápido exigiria outras etapas, incluindo a inclusão nele de partidos menores e a concordância sobre quem obtém qual posição no gabinete.

Se confirmado, seria o primeiro governo de coalizão da Espanha desde o retorno do país à democracia no final da década de 1970.

“A Espanha precisa de um governo estável, um governo sólido”, disse Sánchez, acrescentando que o acordo estava aberto a outros partidos.

A combinação dos 120 assentos obtidos pelos socialistas e os 35 do Unidas Podemos fica aquém da maioria no parlamento de 350 assentos.

Os socialistas e o Podemos haviam tentado e fracassaram em fechar um acordo do governo após as eleições de abril, o que levou Sánchez a convocar uma repetição da eleição.

Os dois estavam em desacordo há meses e trocaram palavras duras, pois as negociações amargas falharam após as eleições de abril.

Na terça-feira, todos sorriam, abraçando-se depois de assinarem o pacto.

“Chegamos a um acordo preliminar para criar um governo de coalizão progressista na Espanha, que combina a experiência do PSOE com a coragem da Unidas Podemos”, disse Iglesias.

A mídia local, incluindo a La Sexta TV, disse que Iglesias seria vice-primeiro-ministro, algo que Sánchez havia recusado nas negociações eleitorais pós-abril. Sánchez também se opusera na época a um governo de coalizão. Os dois líderes disseram que os detalhes viriam mais tarde e não comentaram mais.

O jornal El Diário disse que outros partidos seriam contactados, incluindo o Ciudadanos, favorável ao mercado, o Más País, de extrema esquerda, e o nacionalista basco PNV.

Reportagem de Belén Carreño, José Elías Rodríguez, Ashifa Kassam, Jesús Aguado e Elena Rodríguez

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below