June 19, 2020 / 11:21 PM / 14 days ago

Norte-americanos celebram data do fim da escravidão com protestos e atos pelo país

ATLANTA (Reuters) - Milhares de pessoas protestaram nas cidades dos Estados Unidos, grandes empresas deram folga aos funcionários e pessoas confinadas por causa do coronavírus realizaram fóruns online na sexta-feira, quando os EUA comemoraram o Juneteenth, feriado do fim da escravidão negra, que tem significado especial este ano.

Manifestantes participam de marcha no Juneteenth, feriado do fim da escravidão negra, perto do Capitólio em Washington 19/06/2020 REUTERS/Tom Brenner

Após uma onda de atos recentes e exames de consciência sobre o legado de injustiça racial do país, os manifestantes foram às ruas de Atlanta a Oakland para marcar o dia e protestar contra a brutalidade policial.

Com muitos eventos formais do Juneteenth cancelados devido a preocupações com o coronavírus, os ativistas organizaram passeatas nas ruas e “caravanas de carros” para dar às pessoas uma maneira de mostrar solidariedade.

A celebração anual do feriado da emancipação de escravos, um século e meio atrás, acontece neste ano após protestos em massa desencadeados pelo assassinato de George Floyd, um negro que morreu ao ter seu pescoço pressionado pelo joelho de um policial branco em Mineápolis.

Quatro senadores democratas dos EUA irão apresentar um projeto de lei para declarar o Juneteenth como feriado federal. “O Juneteenth é a celebração mais antiga do fim da escravidão nos EUA. E deve ser reconhecido como um feriado federal”, escreveu no Twitter a senadora Tina Smith.

Semanas de crescentes demandas para acabar com a brutalidade policial e a injustiça racial animaram atos programados para as cidades de costa a costa, incluindo Washington, Filadélfia, Chicago e Los Angeles.

Em Atlanta, um importante centro do movimento dos direitos civis da década de 1960, cerca de 1.000 pessoas se reuniram no Centennial Olympic Park, no centro da cidade, para uma marcha pacífica.

As emoções estavam em alta em Atlanta depois que Rayshard Brooks, um afro-americano, foi morto a tiros nas costas por um policial branco no estacionamento de um restaurante da cidade. O policial foi demitido pelo departamento e acusado formalmente de assassinato.

Muitos manifestantes de Atlanta carregavam cartazes proclamando “Black Lives Matter” ou “Tire o joelho do pescoço” e “Não consigo respirar”, referindo-se à morte de Floyd.

Na cidade de Nova York, algumas centenas de manifestantes usando máscaras devido ao coronavírus se reuniram do lado de fora do Brooklyn Museum.

Maxwell Awosanya estava distribuindo lanches e água grátis para a multidão do lado de fora do museu. “A história afro-americana é a história americana. A história negra é história americana. Precisamos ser ouvidos, precisamos que as pessoas nos vejam. ... precisamos ser entendidos, precisamos ser vistos como iguais”, disse ele.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below