November 20, 2019 / 2:35 PM / 22 days ago

Diplomata dos EUA Sondland diz que seguiu ordens de Trump sobre Ucrânia

WASHINGTON (Reuters) - Um diplomata dos Estados Unidos que é uma testemunha importante no inquérito de impeachment contra o presidente norte-americano, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que trabalhou com o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, nas questões da Ucrânia sobre “as ordens do presidente”.

Gordon Sondland, embaixador dos EUA para a UE, no Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados dos EUA, Washington, EUA. 20/11/2019. REUTERS/Loren Elliott

Gordon Sondland, embaixador dos EUA na União Europeia, disse em declarações preparadas para a investigação que os esforços de Giuliani para pressionar o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy por investigações sobre os rivais políticos de Trump “eram uma ‘quid pro quo’ para organizar uma visita à Casa Branca” para o líder ucraniano.

Quid pro quo é um termo latino que significa um favor trocado por um favor.

Sondland, um rico empresário de hotéis e doador de Trump, disse que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, estava ciente e “apoiava totalmente” seus esforços na Ucrânia.

Sondland testemunhava nesta quarta-feira diante do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados, que está liderando a investigação de impeachment que ameaça a presidência de Trump. Ele sorriu e riu quando se sentou na cadeira de testemunhas na sala de audiências no Capitólio, no quarto dia de procedimentos públicos na investigação.

O inquérito concentra-se em um telefonema em 25 de julho, no qual Trump pediu a Zelenskiy que realizasse duas investigações que o beneficiariam politicamente, incluindo uma visando o rival político democrata Joe Biden. O outro envolveu uma teoria da conspiração desmascarada adotada por alguns aliados de Trump de que a Ucrânia, não a Rússia, interferiu nas eleições de 2016 nos EUA.

Antes de seu pedido para que Zelenskiy realizasse as duas investigações, Trump congelou US $ 391 milhões em ajuda de segurança dos EUA aprovada pelo Congresso para ajudar a Ucrânia a combater separatistas apoiados pela Rússia na parte oriental do país.

Os democratas acusaram Trump de usar a ajuda congelada e o desejo de Zelenskiy de uma reunião do Salão Oval como argumentos para pressionar um aliado vulnerável dos EUA a desenterrar sujeiras dos adversários políticos. Trump está buscando a reeleição no próximo ano.

Trump negou irregularidades, chamou o inquérito de caça às bruxas e atacou algumas das testemunhas, incluindo os atuais assessores da Casa Branca.

A investigação poderia levar a Câmara a aprovar acusações formais contra Trump - chamadas de artigos de impeachment - que seriam enviadas ao Senado controlado pelos republicanos para um julgamento sobre a sua destituição. Poucos senadores republicanos romperam com Trump.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse na terça-feira que é “inconcebível” que dois terços da câmara controlada pelos republicanos votem na condenação de Trump.

Segundo pesquisas da Reuters/Ipsos, 46% dos norte-americanos apoiam o impeachment, enquanto 41% se opõem.

Por Patricia Zengerle e Andy Sullivan, com reportagem adicional de Doina Chiacu, Karen Freifeld e Susan Heavey

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below