December 30, 2018 / 4:55 PM / 6 months ago

Afeganistão adia eleições presidenciais para julho, diz comissão eleitoral

CABUL (Reuters) - A eleição presidencial do Afeganistão será adiada por três meses e realizada no dia 20 de julho para dar às autoridades mais tempo para organizar a votação, anunciaram autoridades eleitorais neste domingo após especulações crescentes de que haveria atraso.

O anúncio foi feito após duras críticas à caótica eleição parlamentar de outubro, que enfrentou problemas como ataques a bomba e equipamentos defeituosos de verificação biométrica, além de listas incompletas de eleitores e enormes atrasos nos postos de votação.

O momento da eleição também foi complicado devido às negociações em curso entre o enviado especial dos EUA, Zalmay Khalilzad, e representantes do Taleban com o objetivo de lançar um processo completo de paz para acabar com a guerra no Afeganistão.

A eleição estava originalmente marcada para 20 de abril, mas Gula Jan Abdul Bade Sayad, presidente da Comissão Eleitoral Independente (IEC, na sigla em inglês), disse que os problemas crescentes forçaram o adiamento.

“Abril será muito difícil por causa do inverno rigoroso e do transporte de material eleitoral, além de segurança e questões orçamentárias”, disse Sayad em coletiva de imprensa em Cabul.

“Para nos prepararmos melhor para a votação, decidimos realizar a eleição em julho do próximo ano”, acrescentou.

O presidente Ashraf Ghani havia insistido anteriormente que a eleição iria ser realizada em abril0, mas Shahhussain Murtazawi, porta-voz do palácio presidencial, disse que o governo acatou a decisão da IEC.

O atraso aumenta a conturbada história das eleições no Afeganistão. Antes da tumultuada votação parlamentar de outubro passado, cujos resultados completos ainda não foram anunciados, a eleição presidencial de 2014 também havia sido marcada por acusações de trapaça por ambos os lados.

Com a aproximação da eleição, manobras políticas intensificaram-se em Cabul nos últimos meses. Ashraf Ghani é favorito para conquistar um segundo mandato de cinco anos. Entre seus adversários, consta o seu ex-assessor de segurança nacional Hanif Atmar e o atual presidente-executivo do governo Abdullah Abdullah.

Por Hamid Shalizi

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below