January 27, 2020 / 12:49 PM / 25 days ago

Surto de coronavírus na China pressiona economia já enfraquecida

PEQUIM (Reuters) - O surto de coronavírus na China — que matou 81 pessoas e se espalhou para vários países — deve prejudicar sua economia, um motor do crescimento global, embora analistas digam que é muito cedo para quantificar o impacto geral sobre as empresas e consumidores.

Pessoas usam máscaras em estação de metrô de Pequim. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

O consenso é de que, no curto prazo, a produção econômica será afetada à medida que as autoridades chinesas adotam medidas preventivas, impõem restrições de viagem e estendem o feriado do Ano Novo Lunar para limitar a propagação do vírus.

Milhões que normalmente viajam durante esse período cancelaram seus planos, com o governo ordenando que sejam concedidos reembolsos totais aos passageiros de transporte aéreo e ferroviário.

Xangai disse nesta segunda-feira que as empresas não podem reiniciar as operações antes de 9 de fevereiro, e as empresas no centro industrial chinês de Suzhou foram ordenadas a permanecer fechadas até pelo menos 8 de fevereiro.

O governo prolongou o feriado do Ano Novo Lunar de uma semana em três dias em todo o país, até 2 de fevereiro.

Wuhan, uma cidade de 11 milhões de habitantes e o epicentro do surto de vírus no centro da China, já está praticamente confinada e existem severos limites de locomoção em várias outras cidades chinesas.

Muitos analistas estão se voltando para a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), um coronavírus que se originou na China e matou quase 800 pessoas em todo o mundo em 2002 e 2003, para entender melhor os prováveis efeitos a longo prazo.

“A economia se recuperou rapidamente depois que a Sars desapareceu”, disse Larry Hu, da Macquarie Capital, em nota a clientes. Transporte, restaurantes e vendas no varejo foram atingidos, mas Hu disse que, no geral, a Sars foi “apenas um pontinho que não mudou a principal tendência”.

Desta vez, no entanto, analistas dizem que o aumento da dependência do consumo da China para impulsionar a segunda maior economia do mundo em comparação ao início dos anos 2000 poderia minar o crescimento.

“Na China, durante 2019, o consumo contribuiu com cerca de 3,5 pontos percentuais para a taxa de crescimento real geral do PIB de 6,1%. Um cálculo posterior sugere que se os gastos com esses serviços caíssem 10%, o crescimento geral do PIB cairia cerca de 1,2 ponto percentual”, disseram analistas da S&P Global Ratings em nota.

Os dados iniciais contribuem para uma leitura sóbria.

A correria habitual do Ano Novo Lunar de gastos com viagens, turismo e entretenimento já sendo prejudicada. O total de passageiros caiu quase 29% em relação ao ano anterior no primeiro dia do Ano Novo Lunar, disse uma autoridade do ministério dos transportes.

Notavelmente, as condições externas em 2002-03 eram favoráveis, enquanto o surto de coronavírus está “aumentando os obstáculos ao crescimento”, disseram analistas do Nomura em nota. O crescimento do PIB da China caiu para uma mínima em quase 30 anos em 2019, pressionado pela fraca demanda doméstica e atritos comerciais com os Estados Unidos.

A China também agora contribui mais para o crescimento econômico global do que há 17 anos, o que significa que qualquer grande impacto doméstico decorrente do vírus repercutirá em todo o mundo.

O vírus já se espalhou para mais de 10 países, incluindo Estados Unidos, França, Austrália e Cingapura, embora todas as 81 mortes tenham ocorrido até agora na China.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below