October 8, 2019 / 3:59 PM / 9 days ago

Com intensificação de tensões EUA-China, esperanças para fim de guerra comercial diminuem

Por Andrea Shalal e Cate Cadell

Bandeiras dos EUA e da China 30/07/2019 REUTERS/Aly Song

WASHINGTON/PEQUIM (Reuters) - A China repreendeu fortemente os Estados Unidos nesta terça-feira por adicionarem algumas das principais startups chinesas de inteligência artificial à sua lista de restrição de comércio, diminuindo as esperanças de um progresso nas negociações de alto nível para encerrar a guerra comercial de 15 meses entre as duas potências econômicas.

Os negociadores comerciais dos EUA e da China se reunirão em Washington para um segundo dia de conversas nesta terça-feira, preparando as bases para as primeiras reuniões de nível ministerial no final desta semana.

Uma notícia do China Morning Post informou que a China reduziu as expectativas antes das negociações programadas para quinta-feira entre o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, dizendo que a delegação chinesa poderá ir embora mais cedo do que o planejado, porque “não há muito otimismo”.

O humor azedou esta semana depois de o Departamento de Comércio dos EUA aumentou sua lista de sanções comerciais para incluir 20 agências chinesas de segurança pública e oito empresas, incluindo a empresa de vigilância de vídeo Hikvision, assim como as líderes em tecnologia de reconhecimento facial SenseTime e Megvii Technology.

A ação impede as empresas de comprar componentes de companhias norte-americanas sem a aprovação do governo dos EUA, um movimento potencialmente prejudicial. Ela segue o mesmo modelo usado por Washington que tenta limitar a influência da Huawei pelo que diz serem razões de segurança nacional.

A Hikvision, que tem um valor de mercado de cerca de 42 bilhões de dólares, se autodenomina a maior fabricante mundial de equipamentos de vigilância por vídeo.

Autoridades norte-americanas disseram que a ação estava ligada ao tratamento da China em relação a minorias étnicas predominantemente muçulmanas e violações de direitos humanos, provocando uma forte reação de Pequim.

A China disse que os EUA devem parar de interferir em seus assuntos. Ela continuará a tomar medidas firmes e decisivas para proteger sua segurança soberana, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, em uma entrevista coletiva à imprensa sem dar detalhes.

As negociações comerciais estão ocorrendo dias antes das tarifas dos EUA sobre 250 bilhões de dólares em mercadorias chinesas subirem de 25% para 30%. Trump disse que o aumento de tarifas entrará em vigor em 15 de outubro, caso nenhum progresso seja feito nas negociações.

O presidente Donald Trump disse na segunda-feira que um acordo comercial rápido é improvável e que ele não ficará satisfeito com um acordo parcial.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below