May 1, 2020 / 4:29 PM / a month ago

Atividade manufatureira dos EUA cai a menor patamar em 11 anos com queda de encomendas

1 Maio (Reuters) - A atividade manufatureira dos EUA caiu para uma mínima de 11 anos em abril, quando o novo coronavírus causou estragos nas cadeias de suprimentos, sugerindo que a economia estava afundando mais na recessão.

A pesquisa do Instituto de Gerenciamento de Suprimentos (ISM) na sexta-feira se somou a uma série de dados sombrios nesta semana, incluindo um colapso nos gastos dos consumidores em março e um aumento para 30,3 milhões no número de americanos que entraram com pedidos de subsídio de desemprego em março nas últimas seis semanas.

Medidas rigorosas para retardar a propagação do Covid-19, a doença respiratória causada pelo coronavírus, quase paralisaram o país, levando à mais profunda contração econômica desde a Grande Recessão no primeiro trimestre.

“O cenário para os fabricantes é muito sombrio, com o colapso da demanda global, interrupções contínuas na cadeia de suprimentos e altos níveis de incerteza, todos apresentando desafios muito significativos”, disse Oren Klachkin, economista-chefe da Oxford Economics em Nova York. “Não esperamos que as perdas de produção sejam recuperadas até 2021.”

O ISM disse que seu índice de atividade fabril nacional caiu para uma leitura de 41,5 no mês passado, o nível mais baixo desde abril de 2009, ante 49,1 em março. O declínio mensal no índice ISM foi o maior desde outubro de 2008. Uma leitura abaixo de 50 indica contração no setor manufatureiro, responsável por 11% da economia dos EUA.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice caísse para 36,9 em abril. A queda menor que a esperada no índice ISM foi atribuída a um aumento na medida do prazo de entregas de fornecedores da pesquisa, para uma leitura de 76,0 no mês passado, ante 65,0 em março.

Um aumento no tempo de entrega dos fornecedores está normalmente associado a uma economia forte e ao aumento da demanda dos clientes, o que seria uma contribuição positiva. Porém, nesse caso, entregas mais lentas de fornecedores indicam escassez de suprimentos relacionada à pandemia de coronavírus e não demanda mais forte.

Mesmo com algumas partes do país começando a reabrir, os economistas não esperam uma rápida reversão na crise econômica, com algumas pequenas empresas que vão falir. Também existe o risco de uma segunda onda de infecções por Covid-19.

As ações de Wall Street estavam sendo negociadas em baixa nesta sexta-feira em meio à maré crescente de relatórios econômicos fracos e às ameaças do presidente Donald Trump de estipular novas tarifas sobre a China devido à crise do coronavírus.

RECESSÃO

A queda do mês passado no índice ISM o levou abaixo do limite de 42,8. Uma leitura acima desse nível por um longo período de tempo está associada à expansão econômica.

Os economistas acreditam que a economia entrou em recessão em meados de março, quando o governo estadual e local impôs ordens de isolamento para trabalhadores não essenciais.

A regra de ouro em muitos países é definir uma recessão como dois trimestres consecutivos de declínio no produto interno bruto real, mas o National Bureau of Economic Research, o instituto de pesquisa privado considerado o árbitro das recessões dos EUA, não usa essa definição.

Em vez disso, procura um declínio na atividade econômica, espalhada pela economia e durando mais de alguns meses.

“A pesquisa da indústria do ISM chegou atrasada à previsão de recessão desta vez, já que essa recessão é a deterioração mais rápida da atividade econômica já registrada”, disse Chris Rupkey, economista-chefe da MUFG em Nova York.

O ISM disse que os comentários dos fabricantes foram “fortemente negativos em relação às perspectivas de curto prazo, com o sentimento claramente impactado pela pandemia de coronavírus e pela recessão contínua do mercado de energia”. Os bloqueios da Covid-19 pesaram na demanda por petróleo, fazendo com que os preços do produto caíssem.

O subíndice de novas encomendas do ISM caiu para uma leitura de 27,1 em abril, a menor desde dezembro de 2008, ante 42,2 em março. O declínio mensal foi o maior desde abril de 1951. Das 18 indústrias, apenas fabricantes de papel e alimentos, bebidas e produtos de tabaco relataram aumentos nos pedidos. Isso é consistente com a escassez de alguns alimentos e produtos de papel, como papel higiênico.

A medida da pesquisa de pedidos em atraso nas fábricas caiu para 37,8 no mês passado, ante 45,9 em março.

Com o colapso dos pedidos, os fabricantes reduziram as folhas de pagamento no mês passado. O índice de emprego na fábrica do ISM caiu para 27,5 no mês passado, o menor desde fevereiro de 1949, ante 43,8 em março. A redução mensal na medida de emprego foi a maior desde que o ISM começou a rastrear a série em 1948.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below