February 27, 2019 / 7:43 PM / 3 months ago

Moody's reduz rating da Vale e retira grau de investimento após caso Brumadinho

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A agência de classificação Moody’s cortou nesta quarta-feira o rating global atribuído à mineradora Vale de “Baa3” para “Ba1”, com perspectiva negativa, e retirou o grau de investimento da companhia, após o rompimento mortal de uma de suas barragens em Brumadinho (MG) em janeiro.

Logo da Vale 04/02/2019 REUTERS/Washington Alves

O rebaixamento pode aumentar os custos de financiamento da Vale, diante da elevação dos riscos de crédito após o colapso da barragem.

A agência citou “consideráveis incertezas associadas ao impacto total e implicações de longo prazo deste desastre social e ambiental sobre o perfil de crédito da Vale como um todo”.

A Moody’s pontuou também que a mineradora agora está significativamente exposta a litígios e passivos financeiros que provavelmente persistirão pelos próximos anos.

“Embora a posição financeira robusta da Vale ofereça uma grande folga em relação aos potenciais impactos financeiros, o acidente eleva as preocupações dos pontos de vista social e de governança corporativa, uma vez que ocorreu um pouco mais de três anos após o colapso da barragem da Samarco”, afirmou.

As ações da empresa operavam com queda de 1 por cento, a 46,73 reais, às 17:40.

Maior produtora global de minério de ferro, a Vale havia conquistado o rating anterior, último grau de investimento na escala da agência, em julho de 2018, quando a Moody’s apontou melhoria dos indicadores de crédito da companhia, apoiada pelo melhor perfil de produção e redução de dívidas.

O colapso da barragem de Brumadinho, com mais de 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos do beneficiamento de minério de ferro, liberou uma onda de lama que soterrou refeitório e área administrativa da Vale, com centenas de trabalhadores. A lama atingiu ainda rios, mata e comunidades da região.

O desastre socioambiental deixou mais de 300 vítimas, entre mortos ou desaparecidos.

A agência ponderou que a “Vale demonstrou amplo esforço para oferecer assistência humanitária e auxílio financeiro emergencial aos afetados, bem como para reforçar o monitoramento e inspeção das barragens”.

Porém ressaltou que ainda não está clara a extensão total dos custos, reivindicações judiciais e litígios, bem como o impacto do acidente na reputação da Vale e no seu resultado operacional e financeiro.

A perspectiva negativa, segundo a Moody’s, incorpora as incertezas acerca do montante e do prazo dos futuros desembolsos de caixa relacionados ao acidente. Além disso, também reflete os riscos das investigações em andamento sobre as causas e responsabilidades do acidente.

A agência destacou ainda que os ratings Ba1 da Vale continuam tendo o suporte da diversificada base de produtos da companhia e posição de custos baixos, além do portfólio robusto de ativos com reservas de longa duração de minério de ferro, níquel, cobre e carvão.

Por Christian Plump e Marta Nogueira

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below