August 24, 2019 / 3:21 PM / a month ago

Polícia de Hong Kong dispara gás lacrimogêneo contra manifestantes; China libera funcionário britânico

HONG KONG (Reuters) - A polícia de Hong Kong disparou gás lacrimogêneo para acabar com os protestos antigovernamentais em um subúrbio industrial neste sábado, depois que ativistas jogaram coquetéis molotov e tijolos, enquanto a China libertou um trabalhador do consulado britânico cuja detenção havia acentuado as tensões.

Kowloon Bay, Hong Kong, China, 24/08/2019. REUTERS/Tyrone Siu

Quatro estações de metrô da MTR foram fechadas em torno de Kwun Tong, uma área densamente povoada da cidade governada pela China no leste da península de Kowloon, mas milhares de pessoas lotaram as ruas de qualquer maneira, a maioria carregando guarda-chuvas contra o sol.

A polícia usou gás lacrimogêneo depois que alguns manifestantes jogaram coquetéis molotov e tijolos e outros destruíram postes “inteligentes” equipados com câmeras de vigilância. Outros haviam montado obstáculos com andaimes de bambu.

Foi o primeiro uso de gás lacrimogêneo em 10 dias após uma série de manifestações pacíficas na ex-colônia britânica.

Não houve relatos imediatos de feridos.

“Me dê democracia ou me dê a morte”, foi pintado com spray na parede, uma ilustração de como as demandas dos manifestantes se expandiram além da retirada de um projeto de lei que permitiria extradições para a China.

O governo disse em comunicado que os manifestantes “representam uma séria ameaça à segurança de todos” no local.

“Após repetidas advertências aos manifestantes ..., policiais empregaram gás lacrimogêneo e força mínima para dispersar os manifestantes”, afirmou o documento.

Houve protestos esporádicos e menores em outras partes do território que continuaram após o anoitecer. A polícia disparou gás lacrimogêneo em uma batalha contínua com manifestantes que bloqueavam uma estrada no distrito de Wong Tai Sin, a noroeste de Kwun Tong.

O aeroporto e as estradas e ferrovias que levavam a ele funcionavam normalmente, apesar dos planos dos manifestantes de implementar um “teste de estresse” das ligações de transporte após semanas de agitação.

O aeroporto foi forçado a fechar na semana passada depois que os manifestantes lotaram o terminal principal por vários dias, impedindo cerca de 1.000 voos e no final entrando em conflito com a polícia.

Os apelos mais amplos à democracia mergulharam a cidade em uma crise sem precedentes, que representa um desafio direto para os líderes do Partido Comunista em Pequim.

Os manifestantes dizem que estão lutando contra a erosão do arranjo “um país, dois sistemas” que consagra um alto grau de autonomia para Hong Kong desde que foi devolvido do domínio britânico para o chinês em 1997.

Centenas participaram de um protesto contra notícias falsas, com pessoas agitando as bandeiras de Hong Kong e China e mirando a emissora financiada pelo governo RTHK. Uma porta-voz da estação, Amen Ng, rejeitou as alegações de que a RTHK estava envolvida em notícias falsas.

FUNCIONÁRIO DE CONSULADO LIBERADO

O funcionário do consulado britânico Simon Cheng foi detido por 15 dias por violar os regulamentos de gerenciamento de segurança pública, informou a polícia de Shenzhen, na fronteira com Hong Kong, em sua conta Weibo, semelhante ao Twitter.

A polícia disse que Cheng foi libertado como previsto neste sábado e que seus direitos e interesses legais foram respeitados. Eles também disseram que Cheng confessou as acusações contra ele, um comentário comumente usado pela polícia chinesa, apesar de Cheng não ter tido a chance de se defender no tribunal.

Agora Cheng voltou a Hong Kong, disse sua família em sua página no Facebook.

Nenhum detalhe foi dado sobre sua detenção, com o post do Facebook pedindo à “mídia e amigos que lhes dessem tempo e espaço, e explicaremos mais adiante”.

Alguns manifestantes nos últimos dias exigiram a libertação de Cheng. O Reino Unido disse que recebeu a notícia.

Reportagem de Anne Marie Roantree, Jessie Pang, Marius Zaharia, Tyrone Siu, Joyce Zhou, Donny Kwok e Twinnie Siu

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below