March 20, 2019 / 12:42 PM / 3 months ago

Nova Zelândia começa a enterrar vítimas de ataque em mesquitas

CHRISTCHURCH (Reuters) - Os corpos das vítimas de um ataque a tiros em mesquitas da Nova Zelândia foram levados em caixões abertos a uma grande tenda do Cemitério Memorial Park, em Christchurch, nesta quarta-feira, para os primeiros enterros dos 50 mortos.

Enterro de vítimas de ataques em mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia 20/03/2019 REUTERS/Jorge Silva

A maioria das vítimas do ataque de sexta-feira na cidade da Ilha Sul era de imigrantes ou refugiados de países como Paquistão, Índia, Malásia, Indonésia, Turquia, Somália, Afeganistão e Bangladesh.

O mais novo, um menino de 3 anos, era filho de refugiados somalis nascido na Nova Zelândia.

Os dois primeiros mortos enterrados, o pai e o filho Khaled e Hamza Mustafa, saíram da Síria em guerra.

“Não consigo lhes dizer como é devastador... uma família veio para cá em busca de segurança e deveria estar segura aqui”, disse a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, que visitava a cidade pela segunda vez desde o massacre.

Envoltos em tecidos brancos, os corpos foram depositados de face para Meca, e depois das orações fúnebres foram levados a covas recém-abertas.

“Ver o corpo ser baixado foi um momento de muita emoção para mim”, disse Gulshad Ali, que viajou de Auckland para assistir ao primeiro funeral.

Várias pilhas de terra assinalavam o local de diversos túmulos que serão usados para as vítimas do pior ataque a tiros da história da Nova Zelândia.

Centenas de pessoas de luto se reuniram, algumas usando uma taqiyah (touca), outras shalwar kameez (túnica longa e calças), e as mulheres usavam hijabs e lenços. Policiais fortemente armados se mantinham de guarda com flores nos coldres dos revólveres e em seus rifles de alta potência.

Houve seis enterros nesta quarta-feira, e mais devem acontecer durante a semana.

Jacinda disse que o chamado às orações dos muçulmanos da Nova Zelândia desta sexta-feira será transmitido em rede nacional e que no mesmo dia haverá um minuto de silêncio.

“Existe um desejo de mostrar apoio para a comunidade muçulmana quando eles voltarem às mesquitas na sexta-feira”, disse.

Reportagem adicional de Charlotte Greenfield e Edgar Sue, em Christchurch; e Praveen Menon, em Wellington

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below