June 4, 2020 / 9:02 PM / a month ago

Em memorial ao Supremo, Aras defende que MPF atue em inquérito das fake news

Procurador-geral da República, Augusto Aras 02/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu que o Ministério Público Federal tem de participar das investigações do inquérito das fake news, apuração aberta ano passado para apurar autores que divulgam notícias falsas e ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em memorial obtido pela Reuters.

O texto foi encaminhado nesta quinta-feira ao STF para instruir o julgamento da ação marcado para a próxima quarta-feira, movida pela Rede Sustentabilidade no ano passado, que contesta a validade das investigações.

No memorial, Aras disse que não mudou seu entendimento nas duas manifestações que enviou ao STF no inquérito no ano passado e este ano.

O procurador-geral disse que, das 10 mil páginas do inquérito das fake news, apenas 2% se referem a pessoas supostamente envolvidos que detém foro privilegiado.

“Isso porque, em 27 de maio último, a Procuradoria-Geral da República viu-se surpreendida com notícias na grande mídia no sentido deterem sido determinadas dezenas de buscas e apreensões e outras diligências, contra pelo menos 29 pessoas, sem a participação, supervisão ou anuência prévia do dominus litis que, ao fim e ao cabo, é destinatário dos elementos de informação coligidos na fase inquisitorial”, disse.

As diligências do dia 27 atingiram aliados e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below