April 27, 2020 / 7:17 PM / a month ago

Procuradora diz que Bolsonaro violou Constituição ao revogar portarias sobre armas

24/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - A procuradora regional da República Raquel Branquinho afirmou que o presidente Jair Bolsonaro violou a Constituição Federal ao revogar portarias que tratavam de rastreamento, identificação e marcação de armas, munições e demais produtos controlados, em ofício no qual pede a colegas da Procuradoria da República no Distrito Federal (PR-DF) que abram uma apuração sobre o caso.

As portarias que tratam do tema foram revogadas pelo Comando do Exército no dia 17 de abril após o presidente determinar a retirada delas em publicação feita nas redes sociais.

Para a procuradora, os poderes de regulamentação do presidente existem, mas são previstos na Constituição e na lei sem haver espaços para “ideias e atitudes voluntaristas, ainda que pautadas em bons propósitos”.

No caso, disse a representante do MPF citando reportagens veiculadas na imprensa, a finalidade da decisão seria atender uma parcela de eleitores que entenderam que tais normas de natureza operacional poderiam restringir o exercício do direito à importação dessas armas e munição por colecionadores.

“Esse episódio representa uma situação extremamente grave e que coloca em risco e tem o potencial de agravar a crise de segurança pública vivenciada no país, onde, diuturnamente, organizações criminosas são fortalecidas na sua estrutura operacional, abastecidas por armas e munições, cujas origens são desconhecidas pelo Estado brasileiro”, disse a procuradora, no ofício.

“Ao assim agir, ou seja, ao impedir a edição de normas compatíveis ao ordenamento constitucional e que são necessárias para o exercício da atividade desempenhada pelo Comando do Exército, o sr. presidente da República viola a Constituição Federal, na medida em que impede a proteção eficiente de um bem relevante e imprescindível aos cidadãos brasileiros, que é a segurança pública —direito constitucional de natureza fundamental=-, e possibilita mecanismos de fuga às regras de controle da utilização de armas e munições”, avaliou.

A procuradora encaminhou o pedido para a PR-DF, que abriu uma apuração preliminar sobre o caso, segundo informou a assessoria de imprensa do órgão. Agora, o órgão vai levantar mais informações para decidir se continua ou não com a investigação —isso poderá, se for o caso, levar a uma ação de improbidade administrativa contra o presidente.

Procurada por email, a Secretaria de Comunicação da Presidência disse que não comentará a manifestação do MPF.

Reportagem de Ricardo Brito

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below