April 28, 2020 / 7:29 PM / a month ago

Ramagem é respeitado pelos pares na PF, mas indicação de Bolsonaro carrega desconfiança

BRASÍLIA (Reuters) - O delegado Alexandre Ramagem, confirmado nesta terça-feira para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal, é uma escolha pessoal do presidente Jair Bolsonaro que, embora conte com respaldo internamente da categoria, é vista com forte desconfiança e contestação externas.

Bolsonaro e Ramagem confraternizam na posse do então novo diretor da Abin 11/07/2019 REUTERS/Adriano Machado

A opção do presidente por Ramagem ocorre em meio à maior crise por que passa o governo. Bolsonaro —que já vinha sendo criticado por desobedecer orientações de isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus— passou a ser investigado, a partir da véspera, por supostamente querer trocar o chefe da PF com o intuito interferir em investigações da Polícia Federal.

Essa acusação foi feita por Sergio Moro na sexta-feira ao anunciar que estava pedindo demissão do cargo de ministro, após o popular ex-juiz da Operação Lava Jato não ter aceitado a decisão de Bolsonaro de demitir o então chefe da PF, Maurício Valeixo. Bolsonaro torna-se o segundo presidente seguido a ser investigado pelo STF no exercício do cargo.

Delegado da PF há 15 anos, Ramagem se encontra no último grau da carreira e é respeitado pelos pares, tendo participado de investigações e operações policiais, disse à Reuters uma fonte com largo conhecimento da corporação, mas nunca exerceu o comando de superintendências ou de diretorias de destaque.

Em 2018, o delegado assumiu a coordenação de segurança do então candidato e atual presidente. No início do governo, após se aproximar de Bolsonaro e da família presidencial, assumiu o cargo de assessor especial da Secretaria de Governo da Presidência e, em julho passado, assumiu a direção-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Ramagem volta agora à PF para ocupar o cargo máximo e, horas depois de sua nomeação, é alvo de uma série de ações judiciais que querem anular sua escolha por supostamente desvio de finalidade. Ou seja, teria sido colocado no cargo para blindar o presidente em investigações.

Essa tese para contestar a escolha do novo diretor-geral da PF não é nova e foi usada pelo ministro do Supremo Gilmar Mendes para barrar a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil pela então presidente Dilma Rousseff, às vésperas de sofrer um impeachment.

Além do inquérito aberto para apurar as acusações de Moro a Bolsonaro, o presidente, segundo o ex-ministro, se preocupa com o andamento de investigações no STF —tocadas pela PF— que podem envolver pessoas próximas a ele.

O principal questionamento a Ramagem se dá justamente por essa suposta relação íntima com a família presidencial —há uma foto dele circulando em redes sociais ao lado de um dos filhos do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro.

O próprio presidente minimiza isso. “E daí? Antes de conhecer meus filhos eu conheci o Ramagem (sic). Por isso deve ser vetado? Devo escolher alguém amigo de quem?”, respondeu Bolsonaro a uma internauta no domingo por meio das redes sociais sobre essas relações.

O sentimento interno na PF é que, em outras circunstâncias, Ramagem seria considerado totalmente apto para comandar a corporação, disse a fonte à Reuters. “Infelizmente, a troca do ministro da Justiça e do Valeixo, de forma dramática e complicada, já gerou ruido. Espero que o novo diretor-geral não seja nada disso”, avaliou.

O novo diretor-geral da PF ainda tem uma carreira pela frente na corporação e terá de pesar ações e decisões que tomar à frente do cargo. “O governo é transitório, ele não tem mandato e pode cair na primeira crise que tiver”, alertou essa fonte.

Em nota após a efetivação de Ramagem, a Associação Nacional dos Delegados da PF desejou a Ramagem uma profícua administração e disse que o nomeado “possui qualificação técnica para o exercício do cargo, acumulando experiências em diversos setores da instituição”.

“O momento exige da PF trabalho árduo, medidas sérias e a demonstração expressa nos atos e nas palavras de que a sociedade continuará tendo todos os motivos para ter a instituição no mais alto conceito de seriedade e excelência técnica de suas atividades constitucionais e legais. Certamente, o novo diretor-geral poderá contar com o apoio dos seus pares e da Associação em tudo que fortalecer e proteger o órgão”, informou a entidade.

Qualquer eventual tentativa de interferência em investigações seria prontamente rechaçada pela carreira, citou a fonte, lembrando de um episódio recente. Em 2018, o então diretor-geral da PF, Fernando Segovia, acabou por deixar o cargo após ter sido alvo de forte pressão ao indicar, em entrevista à Reuters, que haveria uma tendência de arquivamento de apurações da corporação contra o à época presidente Michel Temer.

A associação dos delegados espera que Bolsonaro mantenha o compromisso de garantir autonomia ao diretor-geral para formar sua equipe e conduzir a corporação de forma técnica e republicana. Defendeu novamente a aprovação de uma proposta que estabelece mandato para o diretor-geral e autonomia para a PF.

Na avaliação de uma fonte do Supremo, o andamento de investigações conduzidas pela PF —motivo de preocupação do presidente— depende dos desdobramentos que haverá após passar a pressão do atual caso.

“Tudo que aparece de novo tem o momento do susto, do impacto e se as coisas não virarem rápido, arrefecem”, disse a fonte ouvida pela Reuters, citando o fato de que praticamente não há lembrança das revelações feitas pelo site The Intercept Brasil que apontariam um suposto conluio na atuação de Moro e procuradores na Lava Jato.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below