December 31, 2019 / 2:30 PM / 7 months ago

Ghosn foge para o Líbano e diz que não será "refém" do sistema de justiça do Japão

Pessoas passam por uma casa que se acredita pertencer a Carlos Ghosn em Beirute, Líbano. 31/12/2019. REUTERS/Mohamed Azakir

BEIRUTE/TÓQUIO (Reuters) - O ex-chefe da Nissan Carlos Ghosn estava em sua casa de infância no Líbano nesta terça-feira, depois de fugir do que ele disse ser um sistema de justiça “fraudulento” no Japão, levantando questões sobre como um dos mais reconhecidos executivos do mundo escapou da prisão domiciliar.

A partida abrupta de Ghosn marca a mais recente reviravolta dramática em uma saga de um ano que abalou a indústria automobilística global, ameaçou a aliança da Nissan e a principal acionista Renault e lançou um olhar crítico sobre o sistema judicial do Japão.

“Agora estou no Líbano e não vou mais ser refém de um sistema judicial japonês fraudulento, em que se presume culpa, a discriminação é desenfreada e direitos humanos básicos são negados”, disse Ghosn, de 65 anos, em um breve comunicado nesta terça-feira.

“Não fugi da justiça —escapei da injustiça e da perseguição política. Agora posso finalmente me comunicar livremente com a mídia e estou ansioso para começar na próxima semana.”

Autoridades de Tóquio disseram anteriormente que o sistema não é desumano e que Ghosn, que está sendo julgado por acusações de má conduta financeira, negadas por ele, foi tratado como qualquer outro suspeito.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below