May 6, 2019 / 12:55 PM / 14 days ago

Rússia diz que não suspenderá aviões Sukhoi apesar de acidente com 41 mortos

Por Gleb Stolyarov e Andrew Osborn

Avião de passageiros em chamas após pouso de emergência em aeroporto de Moscou Comitê Investigativo da Rússia/Divulgação via REUTERS 05/05/2019

MOSCOU (Reuters) - A Rússia não vê razão para suspender a aeronave de fabricação nacional Sukhoi Superjet 100, apesar de uma delas ter sofrido um incêndio durante um pouso de emergência que resultou em 41 mortes, disse o ministro dos Transportes nesta segunda-feira.

O pouso forçado de domingo foi o segundo contratempo do avião, o primeiro jato de passageiros novo desenvolvido na Rússia desde a queda da União Soviética e alardeado por Moscou como prova de que é capaz de produzir suas próprias aeronaves de uso civil de alta qualidade.

Investigadores começaram a tentar descobrir por que o avião da Aeroflot, que voava de Moscou a Murmansk, cidade do norte russo, foi forçado a fazer um pouso de emergência e por que esse pouso deu tão errado.

Várias versões estão sendo analisadas, inclusive falha técnica, erro humano e condições climáticas ruins.

Indagado por repórteres em uma coletiva de imprensa se os aviões Sukhoi deveriam ser suspensos à espera do desfecho da investigação, o ministro dos Transportes russo, Yevgeny Ditrikh, respondeu: “Não há motivo para isso”.

Imagens de televisão mostraram o avião pegando fogo na pista do aeroporto de Sheremtyevo, em Moscou, ao fazer um pouso de emergência no domingo.

O avião transportava 73 passageiros e cinco tripulantes.

Ditrikh disse que os corpos de 41 pessoas mortas no acidente foram recuperados. Trinta e três passageiros e quatro tripulantes sobreviveram, afirmou. Seis dos sobreviventes estão em estado grave e recebendo tratamento.

O avião, construído no extremo leste da Rússia em agosto de 2017, havia passado por uma manutenção em abril.

Há muito tempo a Aeroflot superou seu histórico de segurança pós-soviético problemático, e hoje tem uma das frotas mais modernas do mundo em rotas internacionais, nas quais conta principalmente com aeronaves da Boeing e da Airbus.

Mas a Aeroflot também tem ao menos 50 Superjets que usa em rotas nacionais e internacionais.

O Superjet, que entrou em serviço em 2011, apresentou problemas esporádicos de segurança e confiabilidade, inclusive uma suspensão de voos causada pela descoberta de um defeito na cauda de um avião em dezembro de 2016.

(Reportagem adicional de Polina Devitt)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below