May 14, 2020 / 2:10 PM / 10 days ago

Lockdown é caminho para fracasso e transformará Brasil em país de miseráveis, diz Bolsonaro

BRASÍLIA (Reuters) - O lockdown, a forma mais restrita de isolamento social para frear a propagação do novo coronavírus, é um caminho para o fracasso e irá transformar o Brasil em um país de miseráveis, disse o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, ao fazer um apelo aos governadores para que desistam da medida.

Presidente Jair Bolsonaro ajeita máscara na saída do Palácio da Alvorada 13/05/2020 REUTERS/Adriano Machado

“Essa história de lockdown, ‘vamos fechar tudo’, não é esse o caminho. Esse é o caminho do fracasso, de quebrar o Brasil. Governador, prefeito, que porventura entrou nessa onda lá atrás, faça como eu já fiz algumas vezes na minha vida, se desculpa e faça a coisa certa”, disse o presidente ao deixar o Palácio da Alvorada.

Pelo menos três zonas metropolitanas —São Luís (MA), Belém (PA) e Fortaleza (CE)— já estão em lockdown. Nesta quinta-feira, o Ministério Público do Rio de Janeiro recomendou ao Estado e à prefeitura da capital fluminense a adoção de medidas de isolamento mais restritas, como o lockdown, enquanto Manaus e Rio de Janeiro já apontam a possibilidade de também endurecer as medidas de distanciamento ante o avanço da Covid-19.

Bolsonaro é crítico das medidas de isolamento desde o princípio e entrou em guerra com os governadores que determinaram as medidas de fechamento de comércio e serviços. Essa também foi sua principal divergência com o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que acabou demitido.

O presidente tem tentado burlar as determinações dos governadores aumentando o número de atividades consideradas essenciais por decreto, mas as alterações —a última foi para incluir academias e salões de beleza— têm sido ignoradas pelos governadores, uma vez que o Supremo Tribunal Federal determinou que são os Estados que têm poder de decisão sobre o assunto.

“O Brasil está quebrando. E depois de quebrar, não é como alguns dizem, “ah, a economia recupera”. Não recupera. Vamos ser fadados a viver em um país de miseráveis, como tem alguns países da África sub-saariana. Nós temos que ter coragem de enfrentar o vírus. Está morrendo gente? Está. Lamento? Lamento, lamento. Mas vai morrer muito, muito, mas muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas”, afirmou o presidente.

“Tem que reabrir ou nós vamos morrer de fome, a fome mata. É um apelo que eu faço aos governadores, que revejam essa política. Eu estou pronto para conversar”, acrescentou.

Bolsonaro disse ainda que “vai faltar dinheiro para pagar servidores”, e que grupos que imaginam receber aumentos ainda este ano não terão condições. O presidente planeja vetar, a pedido da equipe econômica, parte do pacote de ajuda aos estados que liberava o reajuste para servidores de algumas áreas, entre elas saúde e segurança, nos próximos dois anos.

Ainda assim, atendeu um pedido do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), para, antes do veto, esperar a aprovação pelo Congresso do reajuste para policiais civis, militares e bombeiros —que são pagos pela União-, o que foi feito.

De acordo com dados divulgados na quarta-feira pelo Ministério da Saúde, existem no Brasil 188.974 casos confirmados de Covid-19, doença respiratória provocada pelo novo coronavírus, com 13.149 mortes.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below