March 24, 2020 / 2:54 PM / 9 days ago

ENFOQUE-Bolsonaro resistia a coronavírus, enquanto disseminação avançava pelo Planalto

BRASÍLIA (Reuters) - O general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete da Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, tratou a terça-feira, 17 de março, como um dia normal de trabalho.

Presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores no Palácio do Planalto 15/03/2020 REUTERS/Adriano Machado

O militar da reserva, de 72 anos, compareceu a reuniões em Brasília, abraçou colegas e visitou a cafeteria do Palácio do Planalto, de acordo com pessoas familiarizadas com sua rotina.

No entanto, havia uma atividade incomum na agenda: ele aguardava os resultados de um teste para o novo coronavírus.

Na quarta-feira, 18 de março, o resultado deu positivo.

O ministro anunciou no Twitter. “Estou isolado, em casa, e não atenderei telefonemas”, escreveu ele, acrescentando estar sem febre e outros sintomas.

Heleno não foi o único no Planalto a aguardar resultado de um teste para coronavírus que não se resguardou. O próprio presidente não cumpriu os protocolos estabelecidos por seu Ministério da Saúde.

Dois dias depois de ter o primeiro resultado negativo, ainda sem ter a contraprova, Bolsonaro cumprimentou apoiadores que participavam de uma manifestação inicialmente convocada contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) que ele próprio, inicialmente, incentivou, mas que depois, cobrado por membros de seu próprio governo, sugeriu, em rede nacional, que não acontecesse.

No Palácio do Planalto, no dia 15 de março, desceu a rampa, tirou fotos com o rosto colado em manifestantes, e cumprimentou mais de uma centena de pessoas.

O segundo teste de Bolsonaro, de 65 anos, deu negativo. Heleno não teve a mesma sorte. O ministro é um dos 22 casos confirmados até então de pessoas que estavam na comitiva presidencial que viajou com Bolsonaro à Flórida no início do mês.

Bolsonaro e autoridades do governo brasileiro encontraram o presidente norte-americano, Donald Trump, no resort Mar-a-Lago. Na mesma viagem, durante quatro dias, um número ainda maior de pessoas reuniu-se com parlamentares norte-americanos e líderes empresariais em um hotel de Miami e em outros eventos.

Na última quinta-feira, a infecção por Covid-19 na comitiva presidencial representava um terço do total de casos confirmados em Brasília. Entres eles estavam dois empresários, um senador, dois membros do gabinete de Bolsonaro, o diretor do Departamento de Segurança Presidencial, o chefe da ajudância de ordens, o chefe do cerimonial e o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais.

O contágio entre a elite política, disseram especialistas da área da saúde, é um alerta sobre a falta de preparo do país para combater a pandemia.

Recentemente, Bolsonaro afirmou que pode fazer um terceiro teste, já que tem “contato com muita gente”, mas continuou menosprezando o coronavírus, caracterizando-o como “uma gripezinha”.

Sob pressão com a repercussão negativa do seu comportamento e rápido crescimento da epidemia no país —que já registra 34 mortes em decorrência do coronavírus— Bolsonaro começou a tomar as primeiras medidas, depois que diversos governadores já tinham anunciado atitudes mais rigorosas sem o governo federal.

O presidente pediu que o Congresso declarasse estado de calamidade para liberar mais recursos para uso durante a epidemia e permitisse que o governo descumpra a meta fiscal deste ano.

Ainda assim, Bolsonaro tem resistido a medidas de confinamento, distanciamento social e suspensão de negócios, preocupado com as consequências econômicas, e tem concentrado suas críticas nos governos estaduais e municipais que estão agindo firme contra a epidemia, mesmo que membros de seu círculo tenham adoecido.

“CONTATO PRÓXIMO”

O presidente, seu filho Eduardo, Heleno e dois outros ministros jantaram com Trump no sábado, 7 de março, quando chegaram a Miami, ao mesmo tempo em que o número de casos confirmados aumentava rapidamente nos EUA.

O grupo, ainda acompanhado do secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten —o primeiro a ter resultado positivo para o Coronavírus—, reuniu-se com Trump e seu vice-presidente, Mike Pence, para tirar fotos. Uma delas mostra o líder norte-americano segurando um boné com o dizer “Make Brazil Great Again”.

O restante da comitiva teve, nos dias seguintes, uma agenda cheia em Miami, em reuniões com investidores, líderes empresariais, autoridades públicas — incluindo o prefeito de Miami, Francis Suárez, que anunciou em 13 de março que havia tido resultado positivo em teste para Covid-19, além de pastores e grupos da comunidade brasileira.

“Pegamos na viagem para Miami, em contato próximo um com outro nos mesmos aviões, ônibus e quartos de hotéis para reuniões”, disse o deputado Daniel Freitas (PSL-SC), que também está com coronavírus e no momento segue em quarentena em seu apartamento em Brasília.

Wajngarten, o secretário de Comunicação da Presidência, teve a infecção confirmada em 12 de março, dois dias depois de chegar da Flórida. Os testes então começaram a ser feitos em outros membros da delegação.

Bolsonaro e Heleno se mantiveram em isolamento por apenas um dia, enquanto esperavam o resultado do primeiro teste. Mesmo com a informação de que seria necessária uma contraprova, já que não houve tempo suficiente de incubação para se ter certeza que nenhum deles estava contaminado, ambos estiveram entre os que continuaram circulando pelo Planalto, chocando especialistas da comunidade médica brasileira e atraindo críticas generalizadas.

“É o comportamento de um avestruz que esconde a cabeça na terra”, disse o epidemiologista José Cássio de Moraes, membro da

Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). “Não é aceitável de forma alguma.”

Nem o gabinete presidencial nem Heleno responderam a pedidos da Reuters para comentar o comportamento do presidente ou do ministro.

Criticado inclusive por apoiadores, Bolsonaro decidiu começar uma entrevista na semana passada justificando o porquê de ter decidido cumprimentar apoiadores na manifestação, apesar dos riscos.

“Por volta de 12h do dia 15, vim aqui a esse prédio, e cumprimentei os brasileiros que estavam aí fora, em grande parte, meus eleitores. Estive ao lado do povo sabendo dos riscos que eu corria. Mas nunca abandonarei o povo brasileiro, ao qual eu devo lealdade absoluta. Após isso, grande parte da mídia potencializou em cima desse evento. Como se fosse o único e tivesse sido programado por mim. Não convoquei ninguém”, disse o presidente.

As hesitações de Bolsonaro frente à epidemia fizeram com que o Brasil ficasse para trás na resposta ao coronavírus. Com 1.891 casos confirmados e 34 mortes até segunda-feira, maior índice da região, o Brasil fechou suas fronteiras apenas no final da semana passada, o decreto de estado de calamidade foi enviado ao Congresso no dia 17, e o governo ainda tenta ampliar a produção de kits de exames para ampliar a testagem e obter respiradores para ampliar as unidades de tratamento intensivo.

Enquanto isso, governadores e prefeitos assumiram a liderança no fechamento de espaços públicos, proibição da abertura de comércio e pedindo às pessoas que fiquem em casa, restringindo a circulação. Muitas empresas do setor privado orientaram os funcionários a trabalhar remotamente.

Bolsonaro denunciou tais medidas como “extremas” e chegou a dizer que no futuro as pessoas iriam ver que foram enganadas pelos governadores. Apesar dos riscos de aglomerações, em outra entrevista defendeu que as igrejas e templos evangélicos continuassem abertos, quando vários Estados decretaram a proibição de missas e cultos.

As falas e ações do presidente criaram choques com sua própria equipe. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou que o sistema de saúde do país poderia entrar em colapso no próximo mês se as pessoas não adotassem um rigoroso distanciamento social. Na semana passada, ele comparou o comportamento de Bolsonaro diante da multidão com um fumante que ignora alertas sobre o tabaco.

Apesar do avanço da epidemia, o presidente continua com um comportamento de idas e vindas. Enquanto realiza entrevistas e se diz preocupado, afirma que não é uma “gripezinha” que irá afetá-lo.

As bravatas tiveram um preço político. Nos últimos dias, Bolsonaro perdeu espaço nas redes sociais, onde sempre conseguiu dominar a narrativa. Na quarta-feira da semana passada, começaram panelaços e gritos de “fora Bolsonaro” nas principais capitais do país. Desde então, com maior ou menor vigor, protestos são feitos contra o presidente por brasileiros irritados e trancados em casa pela epidemia que ele minimizou.

Dois pedidos de impeachment já foram apresentados no Congresso. Por enquanto, engavetados pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Incomodado, o presidente tentou demonstrar que não deu importância.

“Não é o momento para disputas política, de me culpar por tudo que acontece”, afirmou a repórteres, na sexta-feira. “Não estou preocupado com panelas e frigideiras. Estou preocupado com o coronavírus.”

Essa preocupação, no entanto, não se reflete no comportamento, que acaba sendo seguido por vários dos ministros palacianos.

Diversos ministérios, como o da Economia e o Itamaraty, decretaram o teletrabalho. No Palácio do Planalto, no entanto, uma boa parte dos servidores continua comparecendo pessoalmente ao local.

Uma portaria administrativa liberou os maiores de 60 anos, pessoas com doenças crônicas e mulheres grávidas. Em outros casos, chefes de equipe liberaram seus subordinados, mas continuam indo.

Isso porque o próprio presidente continua indo todos os dias ao local. Perguntado se não iria fazer isolamento, justificou que se sentia bem e que lá tem mais acesso às pessoas para trabalhar.

Na esteira de seu comportamento, boa parte da equipe presidencial também continua comparecendo ao Planalto, em um efeito cascata.

Todos os dias, no 4º andar, o gabinete de crise sobre o coronavírus se reúne presencialmente. Segundo uma fonte, a intenção era que apenas o primeiro encontro fosse presencial, e os demais, virtuais.

“Mas com o presidente no Planalto, como os ministros não vão?”, disse uma fonte.

Entre os ministros presentes, o Secretário de Governo, Luiz Eduardo Ramos, o ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto, ambos com 63 anos, e o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, de 66 anos, estão no grupo de risco para a doença.

Desde a semana passada, a administração do Planalto ampliou a limpeza dos locais, especialmente banheiros e áreas comuns, incluindo maçanetas e corrimãos. Há mais faxineiros nas dependências.

Servidores, no entanto, mostram preocupação pelo fato de muitos desses funcionários de apoio —limpeza e também cozinheiros e garçons, que passam o dia servindo água e café nos gabinetes— serem idosos. As empresas, terceirizadas, não estão cobertas pela portaria federal.

“O exemplo vem de cima, né? Os ministros aí se sentem na obrigação de vir e os servidores também”, disse uma servidora.

Bolsonaro tem ido todos os dias ao Planalto, e marca reuniões e audiências presenciais com ministros, nas quais ele alega ficar a uma distância maior que o um metro recomendado pelo Ministério da Saúde. No entanto, em entrevista concedida na quarta-feira, com ministros, estavam todos lado a lado. Apesar do uso de máscaras, elas eram retiradas na hora em que falavam.

Mesmo que não cumprimente mais ou se aproxime para tirar selfies com os apoiadores que se reúnem na frente do Palácio da Alvorada todas as manhãs, o acesso e a aglomeração de gente no local continua.

NERVOSISMO NO CONGRESSO

Do outro lado do eixo monumental, nos corredores do Congresso, a postura é oposta. Parlamentares preocupados correram para se proteger. Muitos saíram de Brasília de volta a suas cidades ou estão trabalhando remotamente de seus apartamentos na capital.

Audiências presenciais de comitês foram canceladas e transferidas para o âmbito virtual. Sessões do plenário não podem ter mais do que 30 parlamentares ao mesmo tempo e as tradicionais aglomerações para tentar avançar legislações são desencorajadas nas duas Casas.

“Por favor, mantenham distância um do outro”, lembrou o presidente da Câmara a seus colegas, pelos autofalantes, durante a sessão da última quarta-feira em que o estado de calamidade foi rapidamente aprovado.

Com três senadores, incluindo o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e pelo menos dois deputados contaminados —e a circulação em um ambiente quase todo fechado, apenas com ar condicionado—, a preocupação entre os parlamentares foi explícita a ponto de presisonarem Maia a suspender as sessões.

No Senado, foi desenvolvido em tempo recorde um sistema de votação a distância para que os senadores não precisassem comparecer à Casa.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below