September 1, 2019 / 5:11 PM / 16 days ago

Alemanha pede perdão à Polônia em cerimônia dos 80 anos da 2ª Guerra

Por Alexandra Alper e Agnieszka Barteczko

VARSÓVIA (Reuters) - O presidente da Alemanha pediu perdão por seu país neste domingo devido ao sofrimento do povo polonês durante a Segunda Guerra Mundial, em meio a cerimônias na Polônia que marcaram os 80 anos desde a invasão nazista alemã que desencadeou o conflito mais mortal da história da humanidade.

As cerimônias começaram às 16h30 na pequena cidade de Wielun, local de um dos primeiros bombardeios da guerra em 1º de setembro de 1939, com discursos do presidente polonês Andrzej Duda e seu colega alemão Frank-Walter Steinmeier.

Poucos lugares viram morte e destruição na escala da Polônia drautena a Segunda Guerra Mundial. O país perdeu cerca de um quinto de sua população, incluindo a grande maioria de seus 3 milhões de cidadãos judeus.

Após a guerra, a capital destruída de Varsóvia teve que se levantar novamente a partir das ruínas, e a Polônia permaneceu sob domínio soviético até 1989.

“Como hóspede alemão, eu ando diante de você aqui com os pés descalços. Olho para trás em agradecimento à luta do povo polonês pela liberdade. Eu me curvo tristemente diante do sofrimento da vítima”, disse Steinmeier em um evento mais tarde em Varsóvia.

“Peço perdão pela culpa histórica da Alemanha. Confesso a nossa responsabilidade.”

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, prestou homenagem à coragem do povo polonês.

“Ninguém lutou com mais coragem, determinação e fúria justa do que os poloneses”, disse Pence na reunião de líderes que incluiu a chanceler alemã Angela Merkel e o primeiro-ministro francês Edouard Philippe.

Para alguns na Polônia, o conflito e suas comemorações ainda são uma questão política viva, principalmente a apenas algumas semanas de uma eleição nacional.

Para o partido de Lei e Justiça (PiS) da Polônia, a memória da guerra é uma das principais tábuas de sua “política histórica”, com o objetivo de neutralizar o que chama de falta de reconhecimento do Ocidente ao sofrimento e bravura dos poloneses sob ocupação nazista.

Pence participou da cerimônia no lugar do presidente dos EUA, Donald Trump, que cancelou sua viagem devido à chegada do furacão Dorian, uma decepção para o PiS, que comanda o governo local e é visto como um dos maiores aliados de Washington na Europa.

Pence sublinhou esse relacionamento, dizendo: “Os Estados Unidos e a Polônia continuarão pedindo aos nossos aliados que cumpram as promessas que fizemos um ao outro”.

Trump e o governo do PiS compartilham opiniões sobre questões como migração, energia e aborto, mas o governo polonês enfrenta um crescente isolamento na Europa devido a acusações de que subverte normas democráticas.

Apesar do tema do dia em referência a 80 anos atrás, a política atual estava, como sempre, em primeiro plano.

“Sabemos que a Europa precisa se tornar mais forte e mais autoconfiante”, afirmou Steinmeier. “Mas também sabemos: a Europa não deve ser forte sem a América - ou mesmo contra a América. Antes, a Europa precisa de parceiros. E tenho certeza que a América também precisa de parceiros neste mundo ... Então, vamos cuidar dessa parceria!”

Por outro lado, chamou a atenção a ausência do presidente russo Vladimir Putin nas cerimônias— ele participou dos eventos de 1º de setembro na Polônia há 10 anos, mas não foi convidado desta vez, refletindo uma mudança nas relações entre os países após a anexação da Crimeia por Moscou em 2014.

Nuestros Estándares:Los principios Thomson Reuters
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below